Senado aprova texto-base de projeto que faz mudanças na Lei de Falências

Como o texto aprovado não teve mudanças de conteúdo em relação ao votado na Câmara ainda em agosto, o projeto segue à sanção presidencial

Larissa Rodrigues, da CNN, em Brasília
25 de novembro de 2020 às 18:57 | Atualizado 05 de janeiro de 2021 às 11:39

 

O Senado Federal aprovou nesta quarta-feira (25), de forma simbólica, o texto-base do projeto de lei que reformula a Lei de Falências. As mudanças na legislação trazem a possibilidade de aumento e facilidades para financiamento de dívidas tributárias, já na fase de recuperação judicial das empresas.

Leia também:
Tesouro: Dívida Pública avança 2,47% e alcança R$ 4,638 trimestre em outubro
Focus: mercado projeta queda menos acentuada para o PIB neste ano, de 4,55%

A matéria prevê que, em caso autorização da Justiça, o devedor poderá fazer contratos de financiamento para tentar salvar a empresa da falência, dando bens da empresa, como maquinários e prédios, ou bens pessoais como garantia. No entanto, se a falência for decretada antes da liberação total do empréstimo, o contrato será rescindido sem a incidência de multas. 

No projeto do Senado, o relator Rodrigo Pacheco (DEM-MG) mudou a redação para deixar claro a inclusão de produtores rurais. Assim, ruralistas terão direito a pedir recuperação, judicial ou extrajudicial, em caso de dificuldades financeiras.

O texto permite ainda desconto para pagamento de dívidas aos credores que apresentarem plano de recuperação da empresa.

senado federal
Cúpula e edíficio principal do Senado Federal
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Demais mudanças

A nova Lei de Falências ampliou o parcelamento de dívidas de empresas com a União de 84 para 120 parcelas. Há ainda a possibilidade de que, em caso de quitação de até 30% da dívida, haja o parcelamento do restante em até 84 parcelas.

O projeto também tirou a proibição atual de incluir créditos trabalhistas ou por acidente de trabalho na recuperação extrajudicial, permitindo sua inclusão se “houver negociação coletiva com o sindicato da respectiva categoria profissional”.

Entre os destaques estão também previsão de regras que facilitam a tomada de empréstimos, estímulos para que as empresas busquem a negociação com os credores fora do ambiente judicial, aceleração do processo de decretação de falência, além da permissão para que os produtores rurais possam pedir a recuperação judicial. 

A aprovação do texto pelos senadores foi acordada entre o relator, Rodrigo Pacheco, e o Ministro da Economia, Paulo Guedes, em reunião na tarde desta terça-feira (24). Para o Governo Federal, as mudanças na Lei de Falência ajudarão os empresários brasileiros, durante a pandemia do novo coronavírus, que fez estragos na economia do país.

Como o texto aprovado não teve mudanças de conteúdo em relação ao votado na Câmara ainda em agosto, o projeto segue à sanção presidencial.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook