Para Guedes, falta de produtos para a indústria é “bom sinal”

Há vários setores que sofrem com falta de itens, como embalagens de papelão, vidro e alumínio

Fernando Nakagawa
Por Fernando Nakagawa, CNN  
26 de novembro de 2020 às 07:03 | Atualizado 26 de novembro de 2020 às 07:08
Capa do podcast Abertura de Mercado
Foto: CNN Brasil

Em evento, o ministro também comentou que a recente alta da inflação é resultado da demanda gerada pelo auxílio emergencial e, para que isso não seja permanente, é preciso que a Câmara aprove a autonomia do Banco Central.

No episódio de hoje:

- Analistas e investidores esperam sinais da equipe econômica e do presidente Jair Bolsonaro sobre o que será feito para ajustar as contas públicas;
- Nos bastidores, a promessa é que o governo quer apresentar o plano de ajuste fiscal após o segundo turno das eleições municipais que acontecem no domingo;
- Por causa da proximidade dessa data, havia alguma expectativa do mundo financeiro com um evento ontem em São Paulo que contou com a participação Guedes e Bolsonaro;
- No entanto, nenhum dos dois deu detalhes sobre o que será feito a partir de segunda-feira;
- Ao contrário, Guedes usou boa parte do discurso para exaltar que a recuperação da economia brasileira e que o Brasil surpreendeu o mundo;
- Nesse contexto, disse até que a falta de algumas matérias primas e produtos é “um bom sinal dessa retomada”;
- Há vários setores que sofrem com falta de itens, como embalagens de papelão, vidro e alumínio;
- Guedes também comentou que a recente alta da inflação é resultado da demanda gerada pelo auxílio emergencial e, para que isso não seja permanente, é preciso que a Câmara aprove a autonomia do Banco Central; 
- Já o presidente do BC, Roberto Campos Neto, defendeu ontem que Brasil precisa de “um plano que dê clara percepção aos investidores de que o país está preocupado com a trajetória da dívida”;
- Sem clareza sobre o que vai acontecer com as finanças do Brasil, o mercado financeiro já cobra um preço maior, com os juros no mercado futuro tiveram alta expressiva ao longo das últimas semanas;
- O Brasil foi o país da América Latina que mais perdeu reservas desde o início da crise gerada pela pandemia;
- Este dado consta de um estudo do Instituto de Finanças Internacionais, o IIF na sigla em inglês;
- A entidade que representa os maiores bancos do mundo mostra que o Brasil perdeu mais de US$ 12 bilhões das reservas desde o início de março;
- O IIF elogia os países que aumentaram as reservas e diz que os países latino-americanos aproveitaram a experiência durante a crise de 2008;
- Esse aprendizado veio através do ajuste substancial da taxa de câmbio nesses países; 
- Por aqui, o ministro Guedes defendeu que o país poderia vender parte das reservas para pagar a dívida pública que cresceu expressivamente desde o início da pandemia; 
- A segunda onda da Covid-19 já desacelera a economia dos EUA em um ritmo pior que o imaginado;
- Ontem, o governo norte-americano informou que 778 mil pessoas perderam o emprego na semana passada e pediram ajuda financeira com seguro-desemprego;
- Essa foi a segunda semana consecutiva de piora dos dados que são considerados um termômetro do ritmo da atividade econômica;
- Economistas estão especialmente preocupados com o fato de que muitas das ajudas anunciadas pela Casa Branca vão terminar no fim deste ano;
- A Anac aprovou o retorno das operações dos aviões modelo Boeing 737 Max no Brasil;
- Este modelo está há 20 meses sem poder voar em todo o mundo após problemas no software da aeronave ter gerado dois acidentes fatais que mataram 346 pessoas; 
- Para voltar a voar, será preciso cumprir uma série de reconfigurações do sistema, revisões de procedimentos previstos no manual do voo e realizar testes de recalibração dos sensores;
- No Brasil, só a Gol usa a aeronave e a Anac diz que a empresa aérea já está em processo de atualização dos aviões e sistemas;
- Indústria gráfica britânica, a De La Rue anunciou que negocia com governos a emissão de certificados de imunidade do novo coronavírus para quem já teve a doença ou, por exemplo, terá sido vacinado por um futuro imunizante;
- Também estão desenvolvendo selos de autenticidade para as futuras vacinas contra a Covid-19 ou para os testes para detecção do novo coronavírus;
- Esses selos de autenticidade poderiam ser comparáveis à tecnologia já existente para, por exemplo, os selos de tributos de produtos de tabaco e bebidas alcoólicas 
- AGENDA: o ministério da Economia deve divulgar os dados do mercado de trabalho com carteira assinada no mês de outubro;
- No exterior, o dia é mais tranquilo porque hoje é feriado do Dia de Ação de Graças nos EUA.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook