Mudança de portfólio: saiba quais setores devem continuar em alta na B3

Empresas exportadoras como a Vale conseguem manter certo patamar apesar de possíveis crises internas, mas isso não é regra

Matheus Prado, do CNN Brasil Business, em São Paulo
27 de novembro de 2020 às 05:00
Operadores trabalham em escritórios da XP Investimentos, em São Paulo
Foto: Paulo Whitaker / Reuters (10.set.2015)

O mês de novembro trouxe notícias animadoras para o mercado financeiro, fazendo com que bolsas de valores ao redor do mundo acumulassem fortes altas no período. Nessa linha, e motivado pelo avanço na pesquisa de vacinas contra o novo coronavírus, o Ibovespa avançou mais de 17% até o dia 25, ultrapassando a barreira dos 110 mil pontos.

Grande parte disso, inclusive, deve-se ao retorno do capital estrangeiro, que já supera os R$ 26 bilhões no intervalo. O valor é superior até ao ritmo de fuga de capitais verificado em março, quando investidores internacionais, num movimento de aversão a riscos, retiraram mais de R$ 20 bilhões do mercado nacional.

Leia também:
Ação do Carrefour despenca: o mercado acordou para o ESG?
A vacina vem aí? Veja setores da bolsa de valores que ganham - e que perdem
Ações da CSN, Gerdau e Usiminas vão subir? É o que acredita o Goldman Sachs

Mas esse movimento de subida não foi necessariamente um reforço dos papéis que se mostraram mais resilientes no período mais agudo da crise. Pelo contrário, setores preteridos pelos investidores durante a crise voltaram a registrar fortes altas com esperança de que certo nível de normalidade esteja voltando.

E o oposto também é verdade. Empresas dos setores de varejo e tecnologia, que se tornaram ativos de segurança no ápice das incertezas, vêm sofrendo fortes correções no mês. Magazine Luiza (MGLU3) é um bom exemplo disso. Confira abaixo as maiores altas do Ibovespa no período:

"Na minha visão, o que está ocorrendo é uma arbitragem de excessos", diz Rodrigo Almeida, CIO do Andbank Brasil. "Não considero que seja uma sinalização de que as coisas vão melhorar logo, e sim que havia depreciação exagerada dos ativos. A volta do capital estrangeiro mostra isso."

Dado este contexto, é preciso responder essencialmente a duas perguntas: como as incertezas fiscais internas podem travar este momento de euforia do mercado nacional; e quais setores terão fôlego para continuar avançando de forma sustentável nos próximos pregões.

Sobre o contexto, analistas entendem que a receita segue a mesma. O governo precisa dar sinais que irá endereçar os problemas fiscais e, mais do que isso, começar a andar com votações como o Orçamento e a PEC emergencial do teto de gastos ainda este ano.

É claro que há empresas, principalmente as exportadoras como a Vale, que conseguem manter certo patamar apesar de possíveis crises internas, mas isso não é regra. Confira abaixo, então, a análise setorial de especialistas ouvidos pelo CNN Brasil Business:

Viagem e Turismo

Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) lideram os ganhos do mês, com a primeira ganhando 59% e a segunda avançando 49%. Embraer (EMBR3) subiu outros 39% e a CVC (CVCB3) 33%. No entanto, analistas ouvidos pela reportagem consideram que ainda há muitos fatores que impedem uma recuperação sustentada.

Leandro Saliba, gestor de renda variável da AF Invest, entende que é preciso entender quais mudanças de hábitos serão duradouras no pós-pandemia, como por exemplo a redução do fluxo de viagens de trabalho. "É difícil mapear mudanças de hábitos. Além disso, as empresas do setor ainda estão perdendo renda e o nível de desemprego ainda é muito elevado."

Petroleiras

Outro setor com grande participação nos ganhos da B3, impulsionado pelo aumento do fluxo de capital estrangeiro e o avanço das vacinas, que aumentam a demanda por petróleo. (Vale lembrar que o preço do barril da commodity chegou a ter preços negativos no auge da crise).

Com este cenário pior se dissipando, a PetroRio (PRIO3) subiu cerca de 44% no mês, e 29% somente em um pregão, mas a Petrobras não ficou muito atrás. As ações ordinárias (PETR3) ganharam 41%, enquanto as preferenciais (PETR4) subiram outros 38%.

E, apesar do avanço já considerável, analistas ainda enxergam possibilidade de crescimento no setor. "Além das particularidades do setor, o câmbio desfavorável ao real é positivo para as empresas de commodities e exportadoras", diz Almeida, do Andbank.

Educação

Aqui é preciso olhar para uma combinação de dois fatores. "O cenário de retomada das aulas presenciais é importante. Se isso vier junto com uma possível recuperação econômica, possibilitando que as pessoas invistam mais em educação, será ainda melhor para o setor", diz Paloma Brum, economista da Toro Investimentos.

Em novembro, a Yduqs (YDUQ3) já havia avançado 36%, enquanto a Cogna (COGN3) cresceu outros 17% no período. A Toro estima, mesmo assim, que há espaço de crescimento, com a Yduqs saindo na frente por estar mais exposta a um mercado das classes A e B, que tende a sofrer menos nestes períodos.

Bancos

Os primeiros a sentir qualquer crise por conta da inadimplência. Neste caso específico, as instituições brasileiras já declararam boa parte das suas provisões, o que é uma vantagem. Saliba acredita que o pior passou, mas estima o setor ainda deve sofrer com a falta de pagamentos no primeiro semestre de 2021.

Mesmo com incertezas, os investidores foram as compras e Bradesco (BBDC3 e BBDC4), Santander (SANB11) e Itaú (ITUB3 e ITUB4) avançaram 26% nos primeiros 24 dias de novembro. A Toro enxerga possibilidade de entrada no Banco do Brasil (BBAS3) e em Itaú e Bradesco.

Shoppings

Multiplan (MULT3) avançou 23%, brMalls (BRML3) outros 22% e Iguatemi (IGTA3) 21%. Entre as varejistas de vestuário, Lojas Renner (LREN3) foi outra que subiu 23%. Analistas entendem que certos papéis ainda estão descontados, mas é preciso que as coisas voltem "ao normal" para que as ações atinjam seu potencial completo.

Frigoríficos

Beneficiado pela alta do dólar e pela disparada da demanda internacional, o segmento segue com boas perspectivas, aponta Brum, da Toro. BRF (BRFS3) já subiu 33% em novembro, enquanto a JBS (JBSS3) avançou 16% e a Marfrig (MRFG3) cresceu outros 8%.  

Ela cita ainda que a BRF está buscando viabilizar algumas plantas com certificação Halal. Assim poderá atender o mercado islâmico e aumentar ainda mais suas perspectivas de ganhos no longo prazo.

Lá fora

O mercado americano também avançou firmemente nos últimos dia. Dow Jones e S&P 500 alcançaram máximas nas últimas semanas. "A fotografia tem mudado nos últimos dias. Setores de tecnologia e comunição, que performaram bem, estão tendo acerto. Os investidores estão fazendo a rotação para outros setores", diz Willian Alves, estrategista-chefe da Avenue Securities.

Ele cita setores como imobiliário, aéreo, turismo e petroleiras com espaço para continuar performando bem. Apesar disso, alerta que, por conta do mercado estar em suas máximas históricas, é preciso ter cuidado redobrado para realizar alocação de recursos.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook