Procon-SP registra 168 reclamações e 41 denúncias sobre Black Friday até 9h

Empresa com mais queixas até o momento é a B2W, com 15 ocorrências, seguida de Via Varejo, Kabum, Mercado Livre e Magazine Luiza

Estadão Conteúdo
27 de novembro de 2020 às 11:57
Black Friday
Movimentação no comércio do centro de São Paulo (SP), nesta sexta-feira (27), dia da Black Friday
Foto: Renato S. Cerqueira/Estadão Conteúdo

A Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-SP) divulgou que registrou, só até as 9h desta sexta-feira (27), 168 reclamações e 41 consultas e denúncias efetuadas pelas redes sociais relacionadas a Black Friday.

"Os principais problemas apresentados foram: maquiagem de preço (desconto oferecido sobre o preço do produto e ou serviço não é real) com 41 registros; pedido cancelado após finalização da compra, 32; produto e/ou serviço indisponível 30; mudança de preço ao finalizar a compra, 22", diz a nota da fundação.

A empresa mais reclamada até o momento é a B2W, com 15 ocorrências, seguida de Via Varejo (12), Kabum (11), Mercado Livre (9) e Magazine Luiza (9).

Leia também:
Black Friday: Reclamações crescem 45% nas primeiras horas do evento
Via Varejo terá um teste de fogo para o e-commerce na Black Friday de 2020