Amazon inaugura no Brasil serviço de logística a vendedores no marketplace

O anúncio ocorre semanas após a Amazon inaugurar três novos centros de distribuição no Brasil

Aluisio Alves, Reuters
09 de dezembro de 2020 às 11:11
Amazon
Foto: Christian Wiediger / Unsplash

A Amazon anunciou nesta quarta-feira a estreia no Brasil do FBA (Fulfilment By Amazon) serviço em que oferece aos vendedores de seu marketplace toda a logística de armazenagem, entrega de produtos e atendimento aos consumidores.

Com a medida, a gigante norte-americana de comércio eletrônico quer ampliar seu catálogo de produtos que recebem o selo Prime, seu serviço premium de assinaturas, que inclui entregas expressas e conteúdos promocionais.

O anúncio ocorre semanas após a Amazon inaugurar três novos centros de distribuição no Brasil - Betim (MG), Distrito Federal e Nova Santa Rita (RS). Grandes empresas do setor, como Mercado Livre e Magazine Luiza, também fizeram grandes movimentos de expansão logística neste ano diante do boom do comércio eletrônico no país, na esteira do isolamento social imposto pela pandemia da Covid-19.

Pelo modelo anunciado, os vendedores que anunciam no marketplace da Amazon no Brasil poderão eleger quais produtos serão vendidos pelo FBA, que deverão ser estocados antecipadamente nos centros da Amazon, que cuida do transporte das mercadorias para os depósitos, da armazenagem e da posterior entrega ao cliente final.

Leia também:
Luxo brasileiro: Vivara e Restoque estão entre as 100 maiores do setor no mundo
13º salário: como organizar e até investir parte do dinheiro do benefício

Ao receberem o selo Prime, esses produtos entram na categoria de entrega grátis e em até 48 horas. Além disso, o prazo para devolução, que em condições normais gira em torno de uma semana, sobe para até 30 dias.

Em troca, a Amazon cobra uma comissão um pouco maior do que as normalmente praticadas sobre as vendas, que hoje variam de uma faixa de 11% a 15%, dependendo da categoria e do peso. No primeiro ano do FBA, a Amazon não cobrará pela armazenagem, nem pelos custos de envio de produtos para o armazém.

No momento, os vendedores estão sendo admitidos ao serviço a convite da própria Amazon. As regiões atendidas pelo sistema incluem Bahia, Pernambuco, Distrito Federal, São Paulo, Sul e Sudeste do país.

O movimento representa uma oportunidade para a Amazon rentabilizar melhor as vendas de seu marketpalce feitas por terceiros, que hoje representam cerca de metade do total.

Mas segundo o chefe de venda no marketplace da Amazon no Brasil, Rafael Ferreira, o objetivo principal da companhia não é ampliar o controle sobre a cadeia logística de suas vendas.

"A meta é mais ampliar a experiência positiva dos nossos clientes", disse ele a jornalistas.

O serviço foi lançado após o governo paulista ter aprovado lei que simplificou no âmbito fiscal as operações de empresas do setor, classificando-as como operadoras logísticas.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook