CEO alemão pede demissão para ficar com a família e estimular carreira da esposa

Rubin Ritter pretende deixar o cargo de co-CEO da Zalando, empresa europeia de e-commerce, no ano que vem, dois anos antes do término de seu contrato

Sherisse Pham, do CNN Business, em Hong Kong
09 de dezembro de 2020 às 05:00 | Atualizado 09 de dezembro de 2020 às 13:56
Rubin Ritter, da Zalando
Rubin Ritter, da Zalando
Foto: Zalando SE/Daniel Hofer
 

Um alto executivo de uma das maiores empresas de comércio eletrônico de moda na Europa desistiu de sua carreira para sua esposa ocupe o centro do palco.

O alemão Rubin Ritter pretende deixar o cargo de co-CEO da Zalando no ano que vem, dois anos antes do término de seu contrato, segundo anunciou a empresa no domingo.

Leia também: 
Mulheres ocupam apenas 11% dos assentos dos conselhos das novatas da bolsa
Luiza Trajano é a maior bilionária do Brasil; veja quais são as outras mulheres

Depois de mais de 11 anos na Zalando, “quero dedicar mais tempo à minha família em crescimento”, disse Ritter em um comunicado. “Minha esposa e eu concordamos que, nos próximos anos, as ambições profissionais dela devem ter prioridade”, acrescentou.

A declaração não deu mais detalhes sobre a esposa de Ritter ou sua carreira. A empresa não respondeu a um pedido de entrevista.

Ritter liderou a Zalando ao lado de dois outros co-CEOs, Robert Gentz e David Schneider, desde 2010.

A empresa com sede em Berlim vende roupas e sapatos online de marcas como a Adidas e Ralph Lauren.

Mulheres no topo

Nos Estados Unidos, o número de mulheres em cargos de nível sênior está aumentando, de acordo com o relatório anual Mulheres no Local de Trabalho da McKinsey & Company e da organização LeanIn.Org.

Ao mesmo tempo, elas também têm três vezes mais probabilidade de assumir a maior parte das tarefas domésticas e os cuidados com os filhos e se preocupam mais sobre como isso afetará seu desempenho no trabalho, de acordo com o relatório.

A Alemanha está atrasada em comparação com várias economias importantes no que diz respeito à proporção de altos cargos executivos ocupados por mulheres.

De acordo com a fundação sueco-alemã Allbright, uma organização sem fins lucrativos, as mulheres representam apenas 12,8% dos conselhos de administração das 30 maiores empresas listadas na bolsa da Alemanha.

Em um esforço para mudar isso, o governo alemão concordou no mês passado com um cota obrigatória para mulheres nos conselhos de administração das empresas de capital aberto.

A Zalando, que tem cerca de 36 milhões de clientes ativos e opera em 17 países da Europa, arrecadou quase € 1,85 bilhão (R$ 11 bilhões) em receita no trimestre que terminou em setembro.

(Hanna Ziady contribuiu para esta reportagem)

Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook