Prévia do PIB: apesar de sexta alta seguida em outubro, IBC-Br perde fôlego

Esse é o sexto mês seguido em que o indicador, visto pelo mercado financeiro como uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), registra alta

Anna Russi, da CNN, em Brasília
14 de dezembro de 2020 às 09:47 | Atualizado 14 de dezembro de 2020 às 21:27

 

A atividade econômica cresceu 0,86% em outubro, ante setembro, de acordo com o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado pelo Banco Central (BC) nesta segunda-feira (14). Esse é o sexto mês seguido em que o indicador, visto pelo mercado financeiro como uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), registra alta. Ainda assim, o resultado foi abaixo do esperado pelo mercado financeiro, que previa uma alta de 1%.

Apesar de positivo, o resultado sinaliza uma desaceleração no ritmo de crescimento após a forte queda de 9,2% em abril. Em maio, o índice avançou 1,7%, seguido de  altas de 5,3% e 3,7% em junho e julho, respectivamente. Desde então, perdeu força, subindo apenas 1,4% em agosto e 1,29% em setembro.

Leia também: 

Economia brasileira deve encolher de novo antes de voltar a crescer em 2021
Auxílio emergencial: Governo divulga novo calendário para 1,2 milhão de pessoas

Na comparação com o mesmo mês de 2019, no entanto, a prévia do PIB recuou 2,61%. No acumulado do ano até outubro, o indicador registrou queda de 4,92%.

O indicador alcançou os 136,75 pontos em outubro, porém  segue abaixo do patamar de 140 pontos, registrado em fevereiro, antes da pandemia.

Nos últimos 12 meses encerrados em outubro, o IBC-Br também caiu 3,93% na série dessazonalizada.Nos últimos meses, o mercado financeiro tem melhorado as estimativas para o PIB oficial de 2020. Atualmente, a previsão é de que a economia recue 4,41% este ano. Já o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional melhoraram suas projeções de tombos de 8% e 9,1% para quedas de 5,4% e 5,8%, respectivamente. O Ministério da Economia espera uma queda de  4,5% na atividade econômica em 2020.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook