O que esperar do mercado de ações nos EUA em 2021? Otimismo pode ser exagerado

As ações subiram tanto este ano que todas as boas notícias de 2021 já podem ter sido precificadas, segundo analistas

Paul R. La Monica, do CNN Business, em Nova York
15 de dezembro de 2020 às 05:00
Investimentos: ações terminaram o ano perto de máximas históricas
Foto: Chronis Yan / Unsplash

Se você tivesse dito no início de 2020 que a economia fecharia, a taxa de desemprego dispararia e os ganhos cairiam devido a um vírus altamente contagioso e letal, e ainda terminaríamos o ano com ações perto de máximas históricas, as pessoas iriam pensar que você estava louco.

Rumo a 2021, os investidores estão otimistas com o novo governo de Joe Biden, com mais ajuda do Federal Reserve [banco central dos EUA], com a perspectiva de vacinas para a Covid-19 administradas a milhões e –tomara– com o retorno a algum tipo de normal.

Mas não há garantia de que esse cenário irá se concretizar. As ações subiram tanto este ano que todas as boas notícias de 2021 já podem ter sido precificadas. A tendência de alta das ações pode ser interrompida.

Leia também:
Economia brasileira deve encolher de novo antes de voltar a crescer em 2021
Credit Suisse: Brasil tem pior década em 110 anos e retomada só vem com reformas
Brasil e China: O que está em jogo na relação com nosso maior parceiro comercial

Os índices Dow Jones, S&P 500, Nasdaq e Russell 2000 atingiram novos recordes na sexta-feira (4). O S&P 500 subiu quase 15% este ano, enquanto o Nasdaq disparou surpreendentes 40%. Ainda assim, essa trajetória pode não continuar.

"O mercado precificou uma recuperação da Covid-19 até certo ponto e houve um novo pico nos lucros. Se o mundo não voltar ao normal, os investidores ficarão desapontados", disse Brad Neuman, diretor de estratégia de mercado da Alger, em entrevista à CNN Business.

Boas notícias com preço?

As expectativas de recuperação dos lucros em 2021 estão agora muito altas. De acordo com estimativas compiladas pela FactSet, os analistas estão prevendo um aumento de mais de 15% nos lucros ano a ano para o primeiro trimestre, um salto de quase 45% para o segundo trimestre, e um aumento de 22% para todo o ano de 2021. 

Para Barry Bannister, chefe de estratégia de ações institucionais da Stifel, essas projeções podem ser irrealisticamente otimistas. Bannister disse ao CNN Business que suas previsões de lucros para 2021 estão 11% abaixo das estimativas de consenso de Wall Street, que também colocam os lucros abaixo dos níveis pré-coronavírus em 2019.

Bannister está preocupado com a possibilidade de que o Congresso e o novo governo Biden discordem sobre o tamanho do futuro pacote de estímulo, hipótese que está sendo subestimada pelos investidores. O bloqueio pode tornar ainda mais crucial para o Fed continuar apoiando a economia e o mercado.

"Não é do interesse do Fed continuar sendo o primeiro a responder, porque o perigo é que ele seja o único a fazer isso se a política fiscal disfuncional continuar", alertou Bannister.

Os investidores também parecem estar apostando que várias vacinas da Covid-19 estarão amplamente disponíveis em 2021 e que um número suficiente de pessoas as receberá para criar uma imunidade coletiva muito necessária ao coronavírus. Mas isso pode ser mais difícil do que se pensa.

"A vacina é uma ótima notícia. Mas como a pessoa média vai conseguir isso? E se houver um problema com a logística e a cadeia de suprimentos?", perguntou JJ Kinahan, estrategista-chefe de mercado da TD Ameritrade.

"Não é certo que as expectativas possam corresponder à realidade em 2021. Por isso, há um certo receio em relação às ações do consumidor", argumentou Kinahan.

O estrategista observou que empresas como a Disney (DIS) e a Starbucks (SBUX), assim como as grandes companhias aéreas e empresas de cruzeiros, correm o risco de outro recuo. Entre as ações que os investidores individuais da TD Ameritrade estão vendendo recentemente estão United (UAL) e Delta (DAL), revelou Kinahan.

"Com sorte, estaremos todos de volta aos nossos escritórios no próximo ano. Mas as viagens de negócios podem não voltar tão cedo. As viagens internacionais não estão no radar de ninguém", acrescentou o estrategista de mercado da TD Ameritrade.

Com tudo isso em mente, Bannister de Stifel disse que espera que as ações sejam negociadas de forma lateral no próximo ano.

Neuman de Alger é um pouco mais otimista. O dólar fraco deve ajudar a impulsionar os lucros para grandes empresas multinacionais, especialmente as grandes ações de tecnologia que têm sustentado o mercado nos últimos anos.

Mas Neuman não está pedindo que a atual alta das ações de sucesso continue nesse ritmo por muito mais tempo.

"Estamos agora em um ambiente de menor retorno daqui para frente", disse, acrescentando que os investidores não devem esperar ganhos anuais do mercado de ações na casa dos dois dígitos.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook