Pix: Em um mês, pagamento instantâneo já foi usado por 46 milhões de brasileiros

Cada transação movimenta, em média, R$ 883. Já foram mais de 77 mil transferências desde o início da fase de testes do sistema

Leonardo Guimarães, do CNN Brasil Business, em São Paulo
16 de dezembro de 2020 às 05:00 | Atualizado 16 de dezembro de 2020 às 12:20


O Pix completa nesta quarta-feira (16) um mês de funcionamento. O sistema de transferências instantâneas lançado pelo Banco Central já tem mais de 116 milhões de chaves cadastradas por 49,4 milhões de usuários.

Dados do BC mostram que são 46,4 milhões de consumidores usando a plataforma. O número corresponde a 48% da população economicamente ativa do país –composta por 96,1 milhões de pessoas, de acordo com os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Destas 116 milhões de chaves cadastradas, a maior parte corresponde ao número de CPF dos usuários, 40,2 milhões, seguidos por chaves aleatórias, 29,1 milhões, número de celular, 25,9 milhões, endereço de email, 8,2 milhões e, por fim, CNPJ: 2,5 milhões.

A evolução do número de chaves também chama atenção: em uma quinzena, do dia 30 de novembro ao dia 15 de dezembro, este número passou de 95,3 mi para 116 mi, o que representa aumento de 21,7%.

Leia também:
O que é o Pix? 8 respostas sobre o sistema de pagamento
Pix: Por que os bancos e fintechs querem tanto as suas chaves?

Cada transação movimenta, em média, R$ 896,00. Já foram mais de 92 milhões de transferências desde o início da fase de testes do sistema, que começou no dia 3 de novembro. Somente entre pessoas, o PIX já foi transacionado amis de 61,3 milhões de vezes. Até o momento, o valor acumulado do PIX foi de R$ 83,4 bilhões. 

O sistema ainda tem a desconfiança de muita gente, mas ainda não teve instabilidade ou grandes falhas de segurança. A taxa de rejeição nas transações de PIX com chave é de 0,5%, número consideravelmente menor às rejeições de PIX sem chave: 9,8%, e de TEDs: de 4 a 5%.

O Banco Central garante que os pagamentos instantâneos são tão seguros quanto as transferências via TED e DOC. Comparado a essas duas formas de transferência, o PIX está crescendo como um instrumento financeiro. No dia 14 de dezembro, 30% das transações no Brasil foram feitas através da plataforma.

Veja alguns números do sistema que está em vigor há um mês no Brasil:

Pix: operação do sistema de transferências instantâneas completa um mês nesta quarta-feira
Foto: Estadão Conteúdo

Transações

O recorde de valor transacionado no sistema de pagamentos instantâneos foi observado no último dia 14, quando foram feitas 4,4 mil transferências via Pix. Essas transações movimentaram R$ 4,7 bilhões, o maior valor desde o início da operação da plataforma.

No primeiro dia de funcionamento amplo da plataforma foram transacionados R$ 971 milhões. Durante seu primeiro mês, o PIX foi utilizado majoritariamente por pessoas entre 20 e 39 anos. 

O Pix funciona 24 horas por dia, 7 dias por semana. Dados do BC ainda mostram que os usuários gostam de "fazer um Pix" às 11h30, horário em que são feitas, em média, 66.738 movimentações pelo sistema todos os dias. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook