Neoenergia, Cteep, Energisa e Mez ganham projetos de transmissão em leilão

Linhas de energia que demandarão R$ 7,3 bilhões, apareceram a novata Mez Energia, que levou o maior número de lotes

Por Luciano Costa, da Reuters
17 de dezembro de 2020 às 16:30 | Atualizado 17 de dezembro de 2020 às 18:07
Torre de linhas de transmissão de energia elétrica.
Foto: Marcos Santos/USP Imagens

O leilão de concessões para projetos de transmissão de energia realizado pelo governo nesta quinta-feira, (17) registrou acirrada concorrência e atraiu ofertas por todos os 11 empreendimentos oferecidos a investidores, o que levou a descontos de até 70% na receita a ser paga às empresas vencedoras.

Entre os principais destaques da licitação, que deve viabilizar linhas de energia que demandarão R$ 7,3 bilhões, apareceram a novata Mez Energia, que levou o maior número de lotes, e a Neoenergia, que ficou com a obra mais cara da licitação.

Leia também
Câmara aprova texto-base de MP que visa conter alta nas tarifas de energia
Equatorial aprova financiamentos de R$ 2,1 bi com BNDES para distribuidoras

Também arremataram projetos a Cteep, da colombiana ISA, a Energisa e a estatal gaúcha CEEE-GT, além de empresas menores, incluindo um grupo do setor de engenharia.

A disputa pelos contratos de 30 anos para construção e futura operação dos empreendimentos oferecidos no leilão teve diversas rodadas agressivas-- seis dos lotes ofertados receberam ofertas de mais de 10 empresas, e dois chegaram a ser disputados por 17 proponentes.

Os resultados confirmaram expectativas de analistas, que já esperavam uma intensa competição e a presença desde de empresas tradicionais do setor elétrico até grupos financeiros e de construção.

O deságio médio foi de 55,2%, mas não chegou a superar o recorde histórico visto no certame do final do ano passado, de 60%, como também já era previsto por especialistas.

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Andre Pepitone, considerou o resultado "extremamente exitoso" e disse que ele "confirma o grande interesse da iniciativa privada em investir no setor elétrico".

Além dos principais vitoriosos, o certame marcou o retorno da estatal Eletrobras, que disputou diversos lotes com as subsidiárias Furnas, Eletrosul e Amazonas GT, embora não tenha levado.

Como surpresa, o pregão registrou a participação inédita da chinesa Jiangsu Shemar Electric, que fez oferta por um projeto.

 

RESULTADOS

A Neoenergia, do grupo espanhol Iberdrola, ficou com o maior empreendimento em termos de investimento previsto, o lote 2, orçado em quase R$ 2 bilhões. Ela ofereceu deságio de 42,6% pela obra --no leilão, leva o projeto quem aceita receber menor receita ao longo da concessão.

A Cteep levou o lote 7, segundo maior, com investimento previsto de R$ 1,14 bilhão, ao apresentar lance com desconto de 57,9%.

A Energisa arrematou o lote 11, com deságio e 47,4%. O projeto deve exigir aportes de R$ 882 milhões.

A estatal CEEE-GT, que deve ser privatizada pelo governo do Rio Grande do Sul em 2021, venceu o lote 6, com deságio de 63,5%. O investimento esperado é de R$ 192 milhões.

Já a Mez Energia, criada em 2019 e ligada à Mez Construções, foi a principal vencedora em número de projetos e investimentos previstos, ao ficar com cinco empreendimentos --os lotes 3, 4, 5, 8 e 9, que juntos devem exigir aportes de cerca de R$ 2,4 bilhões.

Grandes elétricas como a chinesa State Grid e sua controlada CPFL, a EDP, do grupo português EDP, e a francesa Engie chegaram a apresentar ofertas, mas não levaram. Diversos outros grupos menores também disputaram.

Entre os vencedores da licitação aparecem ainda o Consórcio BRE 6, que ficou com o lote 10, ao oferecer desconto de 66,9%, e a Agronegócio Alta Luz, com o lote 1 e deságio de 61,8%.

O grupo BRE6 é formado por Enind Energia, Enind Engenharia, Brenergia e Brasil Digital Telecomunicações.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook