A pandemia está forçando trabalhadores mais velhos a se aposentarem mais cedo

Está mais difícil ser recontratado, o que força muitos nos Estados Unidos a adiantarem as aposentadorias

Anneken Tappe, do CNN Business
25 de dezembro de 2020 às 18:05
Fila de emprego em loja da Target em São Francisco, nos Estados Unidos
Foto: Robert Galbraith/Reuters

Os Estados Unidos foram do mercado de trabalho mais forte em décadas para o extremo oposto durante a pandemia. Para trabalhadores mais velhos que perderam seus empregos neste ano, o estado do mercado de trabalho faz com que seja mais difícil ser recontratado conforme a economia se recupera, o que força muitos norte-americanos a se aposentarem mais cedo.

A economia dos EUA perdeu mais de 22 milhões de empregos de março a junho, mas recuperou mais de metade deles nos meses seguintes. Mas assim como a recuperação da economia, a do mercado de trabalho também tem sido desigual.

Leia também:

Desemprego cai, mas EUA frustram com criação de vagas menor que a esperada

"A participação dos trabalhadores jovens na força de trabalho se recuperou quase completamente —provavelmente refletindo os menores riscos à saúde em relação ao vírus e um declínio nas matrículas no ensino superior —enquanto a participação de trabalhadores mais velhos e de mulheres se recupera mais lentamente", escreveu Joseph Briggs, economista do Goldman Sachs, em uma nota a clientes mais cedo neste mês. 

Em novembro, a participação na forla de trabalho era de 61,5%, de acordo com o Gabinete de Estatísticas Laborais. Isso é 1,9 ponto percentual abaixo da taxa de fevereiro, antes que a economia estagnasse.

Briggs estima que houve cerca de 830 mil "aposentados excedentes" em outubro, o que representa um quarto da diferença entre a força de trabalho antes da pandemia e a atual. 

"Não estamos prontos, financeira ou mentalmente, para nos aposentar", disse Rachel E., do estado da Virgínia, que pediu que seu sobrenome fosse omitido para proteger a privacidade dela e do marido. 

O contrato da ex-empreiteira do governo, de 66 anos, foi interrompido em abril. 

"De um salário de seis dígitos por ano a pobreza instantânea com quatro palavras... 'seu contrato foi interrompido'. Parece mais uma aposentadoria antecipada forçada", disse Rachel ao CNN Business por email. 

Voltar a trabalhar é um projeto desafiador por conta dos riscos a saúde de trabalhadores mais velhos. Os empregadores também estão hesitantes em contratar essas pessoas que poderiam ser mais suscetíveis a contrair o vírus, disse Rachel. 

Uma vez que os trabalhadores se aposentam, não é muito provável que voltem a seus empregos. Esses aposentados forçados cairiam na categoria de perda permanente de empregos, algo com que os economistas se preocupam desde o início da pandemia. 

O desemprego permanente é um fardo para o crescimento econômico, particularmente em uma economia voltada ao consumo como a dos Estados Unidos. 

A pesquisa dos lares Census Pulse, enquanto isso, mostra que mais empregados se candidataram a benefícios antecipados do Seguro Social neste ano por conta da pandemia, de acordo com Briggs. 

Ao longo do tempo, a tendência de aposentadoria precoce deve diminuir, disse Briggs, com o aumento dos aposentados eventualmente sendo compensado por um número menor nos próximos anos. 

Mas isso oferece pouco consolo para aqueles que foram forçados a deixarem suas carreiras para trás devido a pandemia. 

(Texto traduzido, leia o original em inglês)