Conheça alguns carros que saíram de linha em 2020 no Brasil

Ano atípico gerou dificuldades para as montadoras no país. Com isso, alguns modelos chegaram ao fim mais cedo

Thiago Moreno, colaboração para o CNN Brasil Business, em São Paulo
27 de dezembro de 2020 às 05:00
Carros que saíram de linha
Foto: Arte/CNN

O ano de 2020 não será lembrado pelas fabricantes brasileiras de automóveis com saudades. Com a pandemia, linhas de montagem ficaram paralisadas e, mesmo quando voltaram, restrições sanitárias impuseram um ritmo de produção mais lento. O cenário é atípico, e a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos) viu as vendas caírem.

Foram 1.718.093 emplacamentos de automóveis e comerciais leves 0km entre janeiro e novembro de 2020, segundo dados da entidade. O número é 28,62% inferior ao registrado em igual período de 2019: 2.406.917 unidades. Com isso, modelos que estavam com as vendas em baixa ou que não estavam alinhados com as estratégias comerciais de suas montadoras deixaram de ser produzidos. Veja abaixo alguns deles.

Leia também:

Strada, Tracker e elétrico da Audi: relembre carros lançados em 2020 no Brasil
Jac iEV20 e Renault Zoe: os preços dos carros elétricos mais baratos do Brasil

Os descontinuados de 2020

Nissan March

Nissan March
Foto: Divulgação

Em setembro, saiu da fábrica da Nissan em Resende (RJ) o último March fabricado no Brasil, e suas vendas foram encerradas oficialmente. O hatch compacto não vinha performando bem em seu segmento há alguns anos e não havia motivação para mantê-lo na ativa. No entanto, a marca estaria cogitando a produção de um utilitário esportivo compacto de origem indiana para aproveitar a capacidade produtiva que ficou ociosa por aqui.

Chevrolet Cobalt

Chevrolet Cobalt
Chevrolet Cobalt
Foto: Divulgação

Desde o final de 2019, quando a Chevrolet renovou o Prisma e trocou seu nome para Onix Plus, o sedã tem sido figurinha carimbada no ranking dos carros mais vendidos. No entanto, ele cresceu com a nova geração e deixou o Cobalt sem muita função na linha da marca, pois seu porte era similar ao do novato, que ainda era bem mais moderno. Suas vendas eram direcionadas a taxistas e frotistas, mas, com nove anos de projeto nas costas, o modelo teve a produção interrompida em São Caetano do Sul (SP) em fevereiro.

Ford Fusion

Ford Fusion
Ford Fusion
Foto: Divulgação

Mais um sedã que se despediu do Brasil em 2020 foi o Ford Fusion. O carro parou de ser importado do México e deixou de aparecer no site nacional da marca em maio. Mas seu fim havia sido anunciado ainda em 2019. O segmento de veículos familiares, como sedãs e peruas, viu um avanço dos utilitários esportivos. Curiosamente, com o fim da fabricação mexicana, a Ford estuda trazer ao Brasil os novos modelos da linha Bronco, SUVs que tomaram o espaço do Fusion na linha de montagem da empresa.

Hyundai Elantra

Hyundai Elantra
Hyundai Elantra
Foto: Divulgação

No mercado brasileiro desde 2011, o Hyundai Elantra deixou de constar no catálogo da marca por aqui ainda no começo de 2020. O sedã chegou a passar por uma reformulação em 2018, mas o carro foi mais uma vítima do crescimento do segmento dos utilitários esportivos e apresentou baixos números de comercialização em seus últimos meses de vida. Em março, a Hyundai apresentou uma nova geração para o modelo em mercados internacionais, mas não há previsão de que ela chegue ao Brasil.

Volkswagen Passat

Volkswagen Passat
Volkswagen Passat
Foto: Divulgação

Um dos carros mais importantes da história da Volkswagen globalmente e nome conhecido dos brasileiros desde a década de 1970, o Passat foi oferecido em sua oitava geração até agosto. O modelo era importado da Alemanha, e as últimas unidades comercializadas por aqui ainda eram da linha 2019. Custando R$ 170 mil no fim da vida, o sedã de luxo batia de frente com diversos SUVs médios e de marcas premium.

Citroën C4 Lounge

Citroen C4 Lounge
Citroen C4 Lounge
Foto: Reprodução

Se você estiver contando, o Citroën C4 Lounge é o quinto sedã que deixou de ser oferecido no Brasil. Apesar de a marca ainda apresentar o modelo em seu catálogo, algumas concessionárias da empresa não recebem nenhuma nova unidade do modelo fabricado na Argentina desde janeiro. O único motivo de ele ainda ser considerado um modelo em linha seria a eventualidade de ainda existirem algumas unidades em estoque.

Mitsubishi Lancer

Mitsubishi Lancer
Mitsubishi Lancer
Foto: Divulgação

Curiosamente, o Mitsubishi Lancer encerra a lista de sedãs descontinuados em 2020, mas foi a primeira baixa do ano. A marca, representada no Brasil pela HPE Motors, deixou de fabricá-lo em Catalão (GO) no começo de janeiro. A Mitsubishi construiu um nome de robustez e boa performance em terrenos difíceis, o que está mais ligado aos SUVs e picapes 4x4 da empresa.

Volkswagen Golf 

Volkswagen Golf
Volkswagen Golf
Foto: Divulgação

Após 25 anos de comercialização no mercado nacional, o Volkswagen Golf parou de ser oferecido no Brasil em dezembro, quando deixou de aparecer no site oficial da marca para nosso mercado. O modelo era comercializado em sua sétima geração global, tendo chegado primeiramente por importação da Alemanha. Depois, veio do México, até ser nacionalizado. As últimas unidades eram da versão GTE, que já contava com motorização híbrida, mesclando propulsor a combustão interna e um elétrico.

Chery QQ

Chery QQ
Chery QQ
Foto: Divulgação

Desde que o Grupo Caoa adquiriu 50% de participação na operação nacional da chinesa Chery, em 2017, o foco da marca se voltou aos utilitários esportivos. Dos seis modelos que oferece hoje, apenas dois não são SUVs. Com isso, o espaço para o simpático, mas simples Chery QQ deixou de existir, e o hatch foi descontinuado ainda no início de 2020.

Fiat Weekend

Fiat Weekend
Fiat Weekend
Foto: Divulgação

De uma forma geral, o mercado de veículos familiares foi praticamente tomado pelos SUVs, julgados como mais práticos e seguros pelos compradores. Com isso, outros tipos de  carroceria agonizaram. Uma das últimas peruas disponíveis no Brasil, a Fiat Palio Weekend teve sua última unidade fabricada em Betim (MG) no final de janeiro de 2020.