Bolsa sobe 0,2% e encosta em recorde histórico; dólar cai e fecha a R$ 5,18

Baixos volumes de negociação de fim de ano marcam dias de alta volatilidade nos mercados

Natália Flach, do CNN Brasil Business, em São Paulo
29 de dezembro de 2020 às 09:34 | Atualizado 29 de dezembro de 2020 às 18:39
Gráficos: Ibovespa testa o recorde histórico
Foto: Carlos Muza / Unsplash

Com uma leve alta de 0,24%, o Ibovespa fechou o pregão desta terça-feira (29) a 119.409,15 muito pouco abaixo de seu recorde histórico - 119.528 pontos, registrados no fechamento de 23 de janeiro deste ano. 

O principal índice da bolsa brasileira chegou a ultrapassar esse recorde mais cedo, batendo nos 119.671 pontos, mas perdeu força na sequência.

O dólar fechou em queda de 1,1%, cotado a R$ 5,183. 

Como se trata da penúltima sessão de 2020, o número de negócios é menor e isso se traduz em sessões com maior volatilidade.

Leia também:
'Pessoa física na bolsa foi surpresa na crise', diz Gilson Finkelsztain, da B3
Fila para IPO na bolsa conta com 50 empresas (muitas de pequeno e médio porte)

O otimismo dos investidores vem dos desdobramentos positivos no exterior, como o encaminhamento para votação no Senado norte-americano de um pacote aprimorado de estímulo econômico.

Na segunda-feira (28), a Câmara aprovou a proposta do presidente norte-americano, Donald Trump, para o pagamento de US$ 2 mil de auxílio para pessoas afetadas pela pandemia de Covid-19.

A equipe da XP Investimentos ressaltou que o destino do pacote no Senado ainda é incerto por causa da oposição de muitos senadores republicanos.

Ainda assim, os futuros acionários norte-americanos registravam máximas históricas, em meio a apostas de que a ajuda fiscal sancionada por Trump no domingo irá acelerar a recuperação da economia liderada pela vacina. Os preços do petróleo também subiam no exterior.

"Os mercados seguem otimistas com a aprovação do pacote fiscal nos EUA e o início da vacinação contra a Covid-19, que traz de volta a expectativa de retomada mais rápida das atividades e recuperação das economias destes países", afirmou a equipe da corretora Planner, em comentários a clientes.

Nesse contexto, a equipe da SulAmérica Investimentos avalia que a bolsa brasileira continuará sendo beneficiada por esse ambiente global.

A B3 também divulgou nesta terça-feira a terceira e última prévia do Ibovespa que irá vigorar de 4 de janeiro a 31 de abril, confirmando a entrada das ações de Copel, Eneva, JHSF e Unidas e nenhuma exclusão.

O Banco Central anunciou para este pregão leilão de swap tradicional de até 16 mil contratos com vencimento em maio e setembro de 2021.

Lá fora

Depois de também baterem recordes durante o dia, os principais índices de dos Estados Unidos perderam força e fecharam em leve queda nesta terça-feira.

As altas evaporaram depois que o líder da maioria no Senado dos EUA, Mitch McConnell, bloqueou a consideração imediata nesta terça-feira da medida que prevê aumento de US$ 600 para US$ 2 mil dólares nos valores dos benefícios a serem pagos. A aprovação final da proposta exigiria 60 votos e o apoio de vários republicanos.

O índice Dow Jones caiu 0,22%, a 30.336 pontos, enquanto o S&P 500 perdeu 0,22%, a 3.727 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuou 0,38%, a 12.850 pontos.

As bolsas europeias fecharam em uma máxima em dez meses nesta terça-feira. O índice FTSEurofirst 300 subiu 0,75%, a 1.547 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhou 0,76%, a 402 pontos, subindo pela quinta sessão consecutiva.

As ações britânicas tiveram desempenho superior ao de seus pares regionais depois da conclusão de um acordo comercial do Brexit na semana passada. O índice Financial Times, da bolsa de Londres, avançou 1,55%, a 6.602,65 pontos. 

Na Ásia, os índices acionários da China fecharam em baixa, com os investidores realizando lucro após recente rali alimentado pela promessa de mais suporte à economia pelo governo.

(Com Reuters)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook