Carros elétricos respondem por 54% das vendas na Noruega

O país dá incentivos fiscais para garantir que cada novo carro de passageiros e van vendidos no país até o final de 2025 seja de emissão zero

Charles Riley, CNN Business, em Londres
07 de janeiro de 2021 às 05:00 | Atualizado 07 de janeiro de 2021 às 07:35
Venda de carros elétricos no Brasil cresce 60% em 2020 (28.nov.2020)
Venda de carros elétricos no Brasil cresce 60% em 2020 (28.nov.2020)
Foto: Reprodução/CNN

Veículos elétricos movidos à bateria foram responsáveis por mais da metade de todos os carros vendidos na Noruega no ano passado, colocando o país na liderança nos esforços para desligar o motor de combustão interna. A Tesla (TSLA) perdeu sua posição como maior vendedora para o Grupo Volkswagen.

A Noruega está usando enormes incentivos fiscais para ajudar a garantir que cada novo carro de passageiros e van vendidos no país até o final de 2025 sejam veículos com emissão zero. As vendas recordes de veículos elétricos em 2020 significam que o país está adiantado em relação ao cronograma, de acordo com Oyvind Solberg Thorsen, CEO da Norwegian Road Federation (OFV).

Leia tambem:
Tesla está fazendo algo que muitos duvidavam: entregando carros aos clientes
Foxconn vai montar carros elétricos em parceria com Byton
Seguro de carro: quando vale a pena contratar uma apólice

A participação de mercado de carros elétricos na Noruega aumentou para 54% em 2020 de 42% no ano anterior, de acordo com dados publicados pela OFV na terça-feira (5). Ao incluir os híbridos, a parcela de veículos eletrificados atingiu 83% no ano passado.

Os carros a gasolina e diesel, que tinham uma participação de mercado combinada de 71% em 2015, agora têm apenas 17%.

A Noruega é a líder global na remoção de veículos poluentes das estradas e parece estar ganhando força, com veículos elétricos a bateria respondendo por dois terços de todas as vendas durante o mês de dezembro. Outros países estão tentando alcançar esses índices. Em novembro, o Reino Unido disse que proibiria a venda de carros novos que funcionam apenas com combustíveis fósseis em 2030, cinco anos antes do planejado.

As montadoras têm procurado usar a Noruega como um campo de testes para suas ambições elétricas. A marca de luxo Audi, da Volkswagen (VLKAF), foi líder de mercado em 2020, de acordo com a OFV, vendendo 9.227 de seus veículos elétricos, chamado e-tron, no país. O Model 3 da Tesla (TSLA), o líder de 2019, foi empurrado para o segundo lugar com 7.770 unidades vendidas. O ID.3 da Volkswagen ficou em terceiro lugar, com 7.754 carros vendidos.

Maior produtor de petróleo bruto da Europa Ocidental, a Noruega vem usando incentivos fiscais para aumentar as vendas de carros elétricos há décadas. A receita do petróleo ajudou a construir o fundo soberano de US$ 1,3 trilhão do país, que agora está adotando energia renovável e eliminando estoques de petróleo e gás.

Os incentivos tornam a compra da maioria dos modelos de veículos elétricos mais baratos do que modelos similares a gasolina, de acordo com a Associação Norueguesa de Veículos Elétricos. Os compradores desfrutam de outros incentivos, incluindo o uso de faixas de ônibus e taxas reduzidas em balsas estaduais e estradas com pedágio.

O país tem dez mil pontos de carregamento disponíveis ao público, de acordo com a associação do setor.

- Chris Liakos e James Frater contribuíram com a reportagem.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook