CEOs da Apple, Facebook, Ford e Bank of America condenam atos no Capitólio

"Marca um capítulo triste e vergonhoso na história de nossa nação. Os responsáveis por esta insurreição devem ser responsabilizados", disse Tim Cook

Rob McLean, CNN Business
07 de janeiro de 2021 às 09:27 | Atualizado 07 de janeiro de 2021 às 09:34
Manifestantes invadem o Capitólio, sede do Congresso dos EUA
Manifestantes invadem o Capitólio, sede do Congresso dos EUA
Foto: Stephanie Keith/Reuters

As empresas estão se manifestando veementemente contra os distúrbios de quarta-feira (6) em Washington, quando o Capitólio foi invadido por partidários do presidente Donald Trump. 

A National Association of Manufacturers, um dos grupos empresariais mais influentes dos Estados Unidos, chegou a pedir ao vice-presidente Mike Pence que considerasse a remoção de Trump do cargo. Outros expressaram seu choque e horror, chamando o caos de "dia negro para nossa democracia" e "terrível".

"Marca um capítulo triste e vergonhoso na história de nossa nação. Os responsáveis ??por esta insurreição devem ser responsabilizados e devemos concluir a transição para a administração do presidente eleito Biden. É especialmente quando eles são desafiados que nossos ideais são mais importantes", disse Tim Cook, presidente da Apple. 

Leia também:

Após confirmação do Congresso, Trump diz que fará transição organizada a Biden

Após invasão do Capitólio, Congresso certifica vitória de Biden nos EUA

Já Stephen J. Squeri, presidente da American Express, afirmou que "o caos que se desenrola na capital do país é o resultado de esforços ilegais para derrubar os resultados legítimos de uma eleição democrática. O país merece mais".

Por sua vez, Stephen Schwarzman, presidente, CEO e cofundador da Blackstone, afirmou: "a insurreição que se seguiu às declarações do presidente hoje é chocante e uma afronta aos valores democráticos que consideramos caros como americanos. Estou chocado e horrorizado com a tentativa desta turba de minar nossa constituição . Como eu disse em novembro, o resultado da eleição é muito claro e deve haver uma transição pacífica de poder."

Brian Moynihan, CEO do Bank of America: "Os terríveis acontecimentos de hoje na capital de nosso país ressaltam a necessidade urgente de todos os americanos se unirem por trás de um de nossos princípios mais queridos: a transferência pacífica de poder que aconteceu sem interrupção desde a fundação de nosso país. Nós devemos avançar juntos pacificamente, com respeito e com um foco único e compartilhado em nossos ideais americanos."

Guy Rosen e Monika Bickert, vice-presidentes do Facebook: "Vamos falar pela equipe de liderança, dizendo o que muitos de nós estão sentindo. Estamos chocados com a violência no Capitólio. Estamos tratando esses eventos como uma emergência."

Jim Farley, CEO da Ford: "A Ford Motor Company condena as ações violentas e antidemocráticas. Esses foram atos destrutivos contra nossos princípios e crenças comuns de uma transição pacífica de poder. Comprometemo-nos a trabalhar juntos, com respeito e empatia, para defender valores americanos centrais."

David M. Solomon, presidente e CEO da Goldman Sachs: "Por anos, nossa democracia construiu um reservatório de boa vontade em todo o mundo que traz benefícios importantes para nossos cidadãos. Recentemente, desperdiçamos essa boa vontade em um ritmo alarmante, e o ataque no Capitólio dos Estados Unidos causa ainda mais danos. É hora de todos os americanos se unirem e avançarem com uma transição pacífica de poder. Temos que começar a reinvestir em nossa democracia e reconstruir as instituições que tornaram os Estados Unidos uma nação excepcional."

Alfred Kelly Jr., presidente e CEO da Visa: "Estou chocado e triste com o que vi. Nós, da Visa, apoiamos 100% os resultados das eleições e as vozes coletivas dos cidadãos deste país. Nós apoiamos plenamente uma transição suave de poder, que tem acontecido por quase dois séculos e meio.Neste tempo de intensa ansiedade para nosso país e o mundo, continuo a ter uma fé tremenda na resiliência de nossas instituições dos Estados Unidos."

Chevron: "Pedimos uma transição pacífica do governo dos Estados Unidos. A violência em Washington, DC mancha uma tradição de dois séculos de respeito pelo Estado de Direito. Esperamos nos envolver com o presidente eleito Biden e seu governo para mover o nação em frente."

Chuck Robbins, CEO da Cisco: "O que está acontecendo na capital do nosso país é aterrorizante e triste. Os Estados Unidos sempre serviram como um farol de democracia e hoje somos lembrados de sua importância e fragilidade. A Cisco condena a violência que temos testemunhou hoje e pede que termine imediatamente. É hora de reconhecer o processo democrático legítimo, garantir uma transição pacífica de poder e voltar juntos como uma nação."