Rappi lança banco digital com crédito de sobra: 'Tem capital para quem quiser'

RappiBank já oferece linha de crédito para empresas parceiras e lista de espera para cartão da Visa

Manuela Tecchio, do CNN Brasil Business, em São Paulo
11 de janeiro de 2021 às 17:27
cartão de crédito
Cartão de crédito do RappiBank será da bandeira Visa
Foto: Divulgação 

A Rappi deu mais um passo em direção ao seu ambicioso objetivo de se tornar “o super app mais completo da América Latina”. O aplicativo acaba de lançar um banco digital — e já coloca à disposição uma linha de crédito para empresas parceiras e uma lista de espera para pessoas físicas que queiram ter um cartão.

Em 72 horas, já são dezenas de milhares de interessados no cartão de crédito da Rappi, que vai oferecer as modalidades Infinite e Gold da bandeira Visa, com o que deve ser o maior cashback do mercado — 5% para transações dentro do app e 2% em qualquer outra compra, no primeiro caso, e 3% no Rappi e 1% fora, no segundo.

Leia também:
Saiba tudo sobre o Pix, sistema que vai acabar com TED e DOC
WhatsApp vai oferecer compras dentro do app e serviços de hospedagem em nuvem

“É um produto extremamente agressivo. Devolvemos o valor direto na fatura, sem exigir gasto mínimo”, disse João Paulo Félix, presidente do RappiBank no Brasil, em entrevista ao CNN Brasil Business.

O executivo explica que a criação do banco é “uma evolução natural” da plataforma, que quer atender à principal demanda de seus parceiros e clientes: mais do que meios de pagamento, que já oferecia pelo RappiPay, um banco de verdade, com carteira digital e serviços financeiros. 

“Nós sempre escutamos parceiros e usuários sobre suas necessidades e os serviços financeiros sempre estiveram no topo da lista de demandas. A gente acredita que o RappiBank vai reforçar esse ecossistema que já existe e agregar muito na experiência do cliente.”

Quem ainda não tem cadastro no aplicativo, também pode solicitar o cartão de crédito. Mas a análise de quem já se relaciona com a marca deve acontecer mais rápido. Ou seja, quem já é cliente da Rappi, tem preferência. E os novos clientes do banco devem fazer parte da mesma (e grande) base de dados do app.

RappiCapital para empresas

Empréstimos com valor entre R$ 10.000 e R$ 500.000, com prazo de até 24 meses, ficam à disposição de empresas parceiras desde já. O fundo, batizado de RappiCapital, visa apoiar restaurantes, farmácias e supermercados do aplicativo com taxas de juros competitivas — a partir de 1,7%.

O processo de solicitação acontece todo online. Para empresas que estejam na plataforma e tenham interesse no financiamento, basta fazer a solicitação pelo novo site do banco digital ou via gerente de contas do aplicativo. Aprovada a solicitação, o valor é depositado em até 24 horas na conta do estabelecimento.

Leia também:
CVC que se cuide: Rappi vem aí para vender pacote de turismo e viagem de negócio

“A taxa de juros vai variar de acordo com a empresa. Mas a gente está falando de condições muito diferenciadas”, diz o CEO do novo banco. De acordo com Félix, pequenos estabelecimentos como os que estão na plataforma geralmente não têm sucesso ao solicitar financiamentos em grandes bancos tradicionais. Pelo menos não com essas taxas.

“Muitos dos nossos parceiros, que eventualmente precisariam de crédito junto ao mercado, não teriam acesso a essas condições. Especialmente num momento difícil, como estamos vivendo. Os ‘players’ não têm interesse nesse perfil de empresas”, afirma.

Inadimplência

Até porque a preocupação com a inadimplência, em meio à pandemia, é inevitável, mesmo para os grandes bancos. A vantagem do RappiBank, explica o executivo, é o acesso a dados exclusivos para a análise de crédito.

“Existem CNPJs novos que a gente consegue avaliar justamente por causa da nossa relação que temos com esses empreendimentos. A gente está investindo nessa parceria para garantir que as empresas vão continuar com boa saúde financeira e seguir conosco, na plataforma”, diz Félix.

“Temos muita confiança no retorno, porque nossa análise de crédito tende a ser muito mais completa, por considerar informações às quais o mercado tradicional não teria acesso. Vale o investimento e correr esse risco.”

O que vem por aí

Os recursos para esses empréstimos saem de um fundo de investimento em direitos creditórios (FIDC) internacional. Sem revelar números, o CEO diz apenas que “é um fundo considerável, bastante grande e agressivo em termos de capital disponível. Teremos capital para quem quiser.”

A agenda do RappiBank está planejada da seguinte forma: depois da abertura e distribuição da linha de crédito para empresas, agora em janeiro, o banco deve lançar um programa de antecipação de recebíveis, em fevereiro, e entregar o cartão de crédito a seus clientes pessoa física em março. 

Já é possível realizar o cadastro pelo site do banco.