Oxford Economics: guerra comercial com a China custou 245 mil empregos aos EUA

O estudo conclui que o conflito não ajudou a conquistar os objetivos estabelecidos pelo governo do presidente americano, Donald Trump

André Marinho, do Estadão Conteúdo
15 de janeiro de 2021 às 10:54
Desemprego; Estados Unidos
Foto: Reuters/Mike Blake


A guerra comercial travada com China custou aos Estados Unidos cerca de 245 mil empregos, estima a Oxford Economics, em relatório produzido em parceria com o Conselho Empresarial EUA-China. O estudo conclui que o conflito não ajudou a conquistar os objetivos estabelecidos pelo governo do presidente americano, Donald Trump.

De acordo com o documento, a fase 1 do acordo firmado no ano passado entre as duas potências não resultou em uma diminuição das tarifas.

"Embora o acordo tenha resultado em progressos importantes nas áreas de barreiras comerciais de longa data na agricultura, finanças, serviços e proteção de propriedade intelectual, ele fracassou em abordar uma série de preocupações da administração sobre as disciplinas de empresas estatais chinesas, distorção de subsídios, dados e cibersegurança", explica.

 

A análise exorta o governo do presidente eleito dos EUA, Joe Biden, a reduzir a temperatura das tensões com a segunda maior economia do planeta. Em um cenário de escalada das disputas, a consultoria prevê que o país acrescentaria US$ 1,6 trilhão a menos ao PIB nos próximos cinco anos e produziria 320 mil menos empregos até 2025.

"Além de um choque significativo de curto prazo na produção econômica, um dos efeitos de longo prazo seriam um PIB permanentemente menor, refletindo menor produtividade econômica", destaca.