Biden vai estimular a compra e a produção de carros elétricos nos Estados Unidos

O presidente que toma posse nesta quarta-feira (20) prometeu gastar bilhões de dólares para criar 550 mil estações de recarga para esses veículos

David Shepardson, da Reuters
20 de janeiro de 2021 às 08:50 | Atualizado 20 de janeiro de 2021 às 08:53
Carro elétrico; Toyota
Foto: Reuters/Vincent Kessler


O presidente eleito Joe Biden ordenará às agências dos EUA, nesta quarta-feira (20), que revisem os padrões de eficiência dos combustíveis, bem como as regras que regem as emissões de carbono de aviões e os padrões de eficiência energética de eletrodomésticos e edifícios, disse a equipe de transição. Isso é uma resposta ao governo Trump que em março reduziu os padrões de economia de combustível ao exigir um aumento de 1,5% na eficiência energética até 2026, bem abaixo dos aumentos anuais de 5% exigidos durante o governo Obama.

A administração Trump disse que essa mudança resultaria em um consumo de cerca de 2 bilhões de barris de petróleo adicionais e emissão de ao menos 867 milhões de toneladas de dióxido de carbono a mais durante a vida dos veículos.

Durante a campanha, Biden prometeu "estabelecer padrões ambiciosos de economia de combustível" e negociá-los com trabalhadores, ambientalistas, montadoras e estados. Biden também está orientando as agências a reconsiderar a decisão de Trump em 2019 de revogar a autoridade da Califórnia de definir seus próprios padrões de emissão de escapamento de automóveis e exigir um número crescente de veículos com emissão zero.

 

As montadoras se comprometeram a trabalhar com Biden em novas regras para reduzir as emissões, mas estão divididas sobre barrar a Califórnia de estabelecer suas próprias regras de emissões.

Biden fez do aumento de veículos elétricos uma prioridade e prometeu gastar bilhões de dólares para adicionar 550 mil estações de recarga para esses carros. Ele também apóia novos créditos fiscais para compras de veículos elétricos e reequipamento de fábricas para sua produção.

Além disso, Biden está instruindo a Agência de Proteção Ambiental a revisar os limites de emissões de gases de efeito estufa de aviões. Os aviões são responsáveis por 10% de todas as emissões de gases de efeito estufa de transporte dos EUA e 3% das emissões totais dos EUA.

Biden também emitirá uma ordem executiva na quarta-feira exigindo máscaras e distanciamento físico em todos os prédios federais, em todos os ambientes federais, e por funcionários federais e contratados. Não se espera que Biden assine imediatamente uma ordem exigindo máscaras em aviões e no transporte interestadual como ele prometeu fazer; isso pode acontecer na quinta-feira.

O próximo governo anunciou na segunda-feira que iria reimpor as proibições de entrada para a maioria dos cidadãos não-americanos que estiveram recentemente no Brasil, Reino Unido, Irlanda e maior parte da Europa continental, depois que Trump emitiu uma ordem para suspendê-los a partir de 26 de janeiro.