Corretoras bloqueiam compra de ações da GameStop; papéis despencam mais de 50%

A RobinHood afirma que bloqueou a operação com objetivo de "ajudar seus investidores a tomarem decisões informados"

Matheus Prado, do CNN Brasil Business, em São Paulo*
28 de janeiro de 2021 às 13:17 | Atualizado 28 de janeiro de 2021 às 14:31
Corretora ganhou fama prometendo democratizar acesso ao mercado financeiro
Foto: Divulgação

A saga das ações da GameStop (e de outras empresas desacreditadas) continua nesta quinta-feira (28). Enquanto pequenos investidores continuam ávidos por comprar papéis considerados ruins pelo mercado financeiro para quebrar suas apostas, corretoras tomaram uma decisão polêmica.

No Reddit, membros do subfórum Wall Street Bets se queixavam que as corretoras de valores, principalmente a RobinHood, não estavam autorizando compras do ativo no seu home broker. Outras empresas, como Interactive Brokers, também apresentavam o mesmo problema.

A corretora RobinHood divulgou uma nota em que afirma ter bloqueado a possibilidade de compra de certas ações devido ao momento de "forte volatilidade", com objetivo de "ajudar seus investidores a tomarem decisões informados".

Além de GME, papéis como AMC, BlockBuster e Nokia, outros alvos do grupo, também estavam inoperantes para a compra. Os usuários podiam, no entanto, vender suas posições nestes papéis.

O bloqueio causou revolta nos usuários do Reddit, que se mobilizam neste momento para processar a companhia, e em outras camadas da sociedade americana. Alexandria Ocasio-Cortez, deputada democrata da ala progressista, e Donald Trump Junior, conservador e filho do ex-presidente Donald Trump, foram alguns dos que criticaram a decisão da empresa.

A também deputada Rashida Tlaib convocou seus colegas congressistas democratas a discutir o tema em plenário. Para ela, a empresa estaria manipulando o mercado ao impedir que seus clientes realizassem transações. Segundo dados da própria RobinHood, 56% dos seus usuários possuem pelo menos uma ação da GameStop.

Com isso, as ações da GameStop deixaram de subir no pré-mercado e passaram a tombar mais de 10%. O nível de volatilidade ficou tão alto durante a tarde que a NYSE decidiu interromper as negociações do papel. Às 13h13, a ação recuava 55,97%, antes da suspensão.

Outra ação que viveu episódio similar, a da AMC Entertainment, também teve a negociação suspensa nesta quinta-feira. Por volta do horário citado, AMC caía 53,82%.

RobinHood cresceu na pandemia

2020 foi um grande ano para a Robinhood. O aplicativo de negociação gratuita teve uma explosão de popularidade, já que as pessoas presas em casa começaram a tentar a sorte comprando e vendendo ações --abrindo caminho para que a startup ponderasse uma grande oferta pública no próximo ano (talvez essa janela tenha passado).

Os reguladores já estavam preocupados com seu modelo de negócios, acusando a empresa de não proteger os operadores novatos e encorajar comportamentos de risco.

Autoridades de Massachusetts alegaram, em dezembro, que a empresa violou a lei estadual ao atrair investidores inexperientes com elementos de jogos, como confetes coloridos celebrando negociações, e outras técnicas de marketing agressivas. Também afirmam que a empresa falhou em proteger seu sistema depois que um crescimento explosivo levou a dezenas de interrupções em 2020.

A Robinhood usou estratégias "como a gamificação para encorajar e atrair o uso contínuo e repetitivo de seu aplicativo de negociação", disse o braço de fiscalização da Divisão de Valores Mobiliários de Massachusetts, enquanto buscava atrair "indivíduos mais jovens ... com pouca ou nenhuma experiência em investimentos".

Em um comunicado, a empresa disse que discordava das alegações e planejava se defender "vigorosamente". A startup apontou para melhorias feitas em sua oferta de opções, salvaguardas adicionais e materiais educacionais aprimorados. "Milhões de pessoas fizeram seus primeiros investimentos por meio da plataforma e continuamos focados em atendê-los", disse a empresa.

Práticas polêmicas e falhas de sistema

A Robinhood emergiu como uma das vencedoras da pandemia. Registrou a abertura de 3 milhões de contas apenas entre janeiro e abril, e sua avaliação no mercado privado subiu para US$ 11,2 bilhões.

O boom da Robinhood colocou outras corretoras online em alerta. A PitchBook disse, em um relatório no início deste ano, que a novata "está conquistando uma fatia significativa do mercado durante os períodos de aumento da volatilidade comercial impulsionada pela pandemia", enquanto reduz as taxas em todo o setor.

Mas com o salto em popularidade, aumentou o escrutínio sob suas práticas. Em junho, a família de um estudante de 20 anos disse que ele morreu por suicídio após confusão sobre um aparente saldo negativo de US$ 730 mil em sua conta na Robinhood. Os co-fundadores da startup disseram que foram "pessoalmente devastados por esta tragédia" e anunciaram uma série de mudanças na plataforma em resposta.

Os reguladores questionam a frequência com que os investidores novatos estão realizando negociações. De acordo com a reclamação de Massachusetts, um cliente sem experiência anterior conseguiu fazer mais de 12.700 negócios em apenas seis meses.

Problemas técnicos frequentes também são uma preocupação. Entre 1º de janeiro e o final de novembro de 2020, a Robinhood experimentou até 70 interrupções em sua plataforma de negociação, de acordo com a reclamação. Um incidente ocorreu em 3 de março, impedindo que alguns usuários da plataforma operassem em um dia em que o S&P 500 ganhou um valor impressionante de US$ 1,1 trilhão.

*Com informações de Julia Horowitz, do CNN Business