Mercado Pago coloca Pix no Burger King e C&A e lança cartão para pagar ônibus

Segundo empresa, o novo meio de pagamento representa de 5% a 10% do faturamento de clientes que processam pagamentos pela internet

Juliana Faddul, colaboração para o CNN Brasil Business
28 de janeiro de 2021 às 18:03
Funcionária mostra logo adaptada do Mercado Livre, em referência à pandemia de Covid-19
Foto: Agustin Marcarian/Reuters

Quem for comprar na C&A ou comer um lanche no Burger King ou Popeye’s vai se deparar com outra forma de pagamento, além do crédito e débito: o Pix.

Tulio Oliveira, vice-presidente do Mercado Pago, diz que este é um passo importante para a empresa, vide que o novo meio de pagamento representa de 5% a 10% do faturamento de clientes que processam pagamentos pela internet.

 “As grandes varejistas começam a avançar no uso do Pix. O grande varejo já enxerga valor em um modelo de pagamento ainda mais acessível para a população e que gera benefícios para negócios de todos os tamanhos, um dos grandes propósitos do Mercado Pago”, afirma Oliveira.

Em 2020, o Mercado Pago processou R$ 14,5 bilhões em pagamentos, aumento de 161,2% em relação a 2019. Fora da plataforma do Mercado Livre, foram R$ 8,4 bilhões, ou 196,5% a mais que no ano anterior.

“Como pioneiros nos pagamentos com Código QR, passamos a oferecer uma excelente experiência, tanto para o lojista quanto para o consumidor. Temos hoje o portfólio de soluções mais completo para que comerciantes de todos os tamanhos possam receber via Pix ”, diz.

Mercado Pago no Transporte Público 

Notícia boa para quem anda de transporte público no Rio de Janeiro e em São Paulo. Linhas de metrô, ônibus e trem aceitarão pagamento por aproximação com o Cartão Mercado Pago Visa.   

No Rio de Janeiro são 41 estações do metrô e nas linhas de ônibus do Metrô na Superfície da concessionária MetrôRio, nos trens e nas barcas (estações Araribóia e Praça XV) já aceitam a forma de pagamento na modalidade débito.

Em São Paulo o pagamento ainda é mais restrito: apenas em 200 linhas de ônibus dentro da capital. Terminais, metrô e CPTM ainda não aderiram à modalidade.