Lagarde, do BCE, pede aos governos e à União Europeia que gastem

A presidente do BCE, Christine Lagarde, defende que manter o estímulo abundante em vigor para reanimar a economia atingida pela recessão

Balazs Koranyi, da Reuters
08 de fevereiro de 2021 às 15:38 | Atualizado 08 de fevereiro de 2021 às 15:59
Presidente do BCE, Christine Lagarde disse que riscos para atuais projeções são "claramente negativos", diante do coronavírus
Foto: REUTERS/Vincent Kessler/File Photo

O Banco Central Europeu vai manter o estímulo abundante em vigor para reanimar a economia atingida pela recessão, mas precisa que os governos continuem gastando, disse a presidente do BCE, Christine Lagarde, nesta segunda-feira.

Com a zona do euro sofrendo uma recessão profunda no ano passado, os governos gastaram muito para manter a atividade, mas alguns agora parecem relutantes em prorrogar a ajuda, enquanto um pacote de apoio da UE de 750 bilhões de euros ainda precisa ser finalizado.

"A política fiscal -- tanto a nível nacional como europeu -- continua a ser crucial para apoiar a recuperação", disse Lagarde ao Parlamento Europeu.

Lagarde argumentou que o pacote da UE, conhecido como Fundo da UE da Próxima Geração, já pode impulsionar o crescimento este ano, se for implementado no cronograma originalmente previsto.

Por sua parte, o BCE manterá a sua política monetária ultraflexível, uma vez que o aumento inesperado da inflação no mês passado mascarou a fraca dinâmica do núcleo dos preços.

"As pressões do núcleo dos preços devem permanecer moderadas devido à fraca demanda, baixas pressões salariais e à valorização da taxa de câmbio do euro", disse Lagarde ao Parlamento Europeu. "Nossa promessa de preservar as condições de financiamento favoráveis ??é crucial no ambiente atual."