Mudança no ICMS sobre combustíveis pode pesar para estados, diz economista

Economista da Nova Futura, Pedro Paulo Silveira falou à CNN sobre proposta que prevê mudanças na tributação dos combustíveis

Da CNN, em São Paulo
09 de fevereiro de 2021 às 15:23 | Atualizado 09 de fevereiro de 2021 às 15:31


Economista da Nova Futura, Pedro Paulo Silveira acredita que mudanças no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis pode agravar a situação fiscal de estados brasileiros. A mudança é defendida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que propõe que o imposto tenha um valor ou um percentual fixo sobre o litro de combustível nas refinarias

"Se efetivamente fizer uma mudança no processo de tributação, irá deslocar valores de alguns estados para outros. Isso pode agravar a situação fiscal, que, em um momento de déficit público, é delicado", afirmou em entrevista à CNN nesta terça-feira (9).

"Tentar conter a alta de preços dessa maneira, que não é inédita, [quer dizer que] alguém vai ter que pagar essa fatura", afirmou o economista.

Ainda segundo Silveira, a projeção dos analistas internacionais é que o preço do petróleo oscile entre US$ 55 e US$ 65, com margem razoável para a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEC) estabilizar o preço.

"[A OPEC] pode autorizar o aumento da produção por parte dos países membros e tem interesse em fazer isso. Devemos ver nos próximos meses o movimento da Petrobras no sentido de aumentar a produção, o que permite que o mercado se equilibre um pouco mais. Devemos ver os preços internacionais se acalmarem", explicou.

Funcionário de posto de gasolina abastece carro em São Paulo (22/08/2013)
Funcionário de posto de gasolina abastece carro em São Paulo
Foto: Paulo Whitaker/Reuters

(Publicado por Natália Flach)