Petroleira Total muda nome mirando transição energética

A gigante francesa de óleo e gás disse que passará a adotar a marca TotalEnergies, uma vez que buscará na próxima década reduzir os produtos de petróleo

Benjamin Mallet e Sarah White, da Reuters
09 de fevereiro de 2021 às 11:10 | Atualizado 09 de fevereiro de 2021 às 11:24
Foto: REUTERS/Stephane Mahe

A petroleira francesa Total registrou resultados melhores que o esperado no quarto trimestre, com a estabilização dos preços do petróleo, enquanto anunciou em conjunto com o balanço uma mudança de nome, como parte de seus esforços para diversificar e crescer em energia renovável e produção de eletricidade.

A gigante francesa de óleo e gás, que assim como rivais sofreu em 2020 com o impacto da pandemia sobre o consumo de combustíveis, disse que passará a adotar a marca TotalEnergies, uma vez que buscará na próxima década reduzir os produtos de petróleo para um terço de suas vendas, contra metade atualmente.

A companhia fechou 2020 com um prejuízo líquido de US$ 7,2 bilhões, atingida por cerca de US$ 10 bilhões em ajustes contábeis associados ao colapso dos preços do petróleo.

 Mas a companhia se recuperou da maior parte dessa baixas, incluindo algumas relacionadas a seus ativos no Canadá, ainda na primeira metade do ano, e fechou com um lucro líquido ajustado de US$ 4,06 bilhões para o ano.

Os lucros caíram menos no quarto trimestre do que no trimestre anterior. O lucro líquido ajustado, que elimina alguns itens não recorrentes, recuou 59% na comparação anual no período, para US$ 1,3 bilhão, superando estimativas de analistas e em contraste com rivais incluindo a Shell.

"Em geral, foi uma performance sólida como uma rocha em um trimestre e um ano duros", escreveram analistas do Bernstein em nota, acrescentando que a geração de caixa foi forte.

Nova Marca

O presidente do conselho e CEO da companhia, Patrick Pouyanne, disse que a mudança de nome reflete uma tentativa de se mover o mais rapidamente possível à medida em que ela busca melhorar em suas metas ambientais.

"Ao propor essa mudança de nome aos acionistas, também estamos fundamentalmente pedindo a eles que aprovem essa mudança na estratégia", disse o executivo a jornalistas.

O grupo disse que já investiu mais de US$ 2 bilhões na aquisição de ativos no setor de renováveis neste ano, enquanto planeja gastar 20% de seu orçamento de investimentos em 2021 nesses esforços, contra 15% em 2020.

A Total deve somar US$ 5 bilhões em investimentos para financiar sua atuação no segmento de renováveis neste ano, com uma mistura de dívida e capital próprio, disse Pouyanne, em cifra que deve chegar a 60 bilhões em 2030.

A companhia mira investimentos líquidos em geral de US$ 12 bilhões neste ano, abaixo dos 13 bilhões do ano anterior.