Amazon processa procuradora-geral de NY para impedir ação relacionada à pandemia

Amazon acusou James de ultrapassar os limites ao ameaçar legalmente a empresa e exigir soluções como renunciar ao lucro

Jeffrey Dastin, da Reuters
12 de fevereiro de 2021 às 13:24
Caixa de encomenda da Amazon
Caixa de encomenda da Amazon (29.JAN.2016)
Foto: Mike Segar/REUTERS

Amazon.com Inc entrou com um processo nesta sexta-feira contra a procuradora-geral de Nova York para impedir o Estado de tomar medidas legais por causa de sua resposta à pandemia de Covid-19, incluindo a demissão do ativista Christian Smalls.

A varejista tem atraído escrutínio há 10 meses, quando trabalhadores protestaram contra as condições em um armazém de Staten Island e demitiu Smalls por violar a quarentena. Senadores questionaram a Amazon sobre o incidente, a cidade anunciou uma investigação e a procuradora-geral do Estado, Letitia James, disse que a empresa pode ter violado a lei.

Em uma queixa no tribunal federal do Brooklyn, a Amazon acusou James de ultrapassar os limites ao ameaçar legalmente a empresa e exigir soluções como renunciar ao lucro. As leis trabalhistas e de segurança federais prevalecem sobre as estaduais, da qual a Amazon está buscando uma medida cautelar, disse seu processo.

A Reuters não conseguiu obter imediatamente comentários de James.

O processo, atípico, mostra como a Amazon acredita que foi injustamente difamada, apesar das muitas precauções contra o Covid-19 que implementou, como testes e mais recentemente planos para administração de vacinas. Também demonstra como a empresa não tolera críticas a seu local de trabalho.

De acordo com o processo, a Amazon foi aprovada em uma inspeção municipal não anunciada de suas instalações em Staten Island em 30 de março, o dia do protesto. As verificações de temperatura do depósito, sinalização para estimular o distanciamento social e escalonamento de turnos mostraram que as reclamações de segurança eram "completamente infundadas", segundo o processo citando descobertas do inspetor.

A Amazon disse que as demandas da procuradoria geral (OAG) eram "muito mais rígidas do que o padrão adotado pela OAG ao defender, em outros litígios, a resposta de segurança razoável, mas mais limitada, dos tribunais do Estado de Nova York à Covid-19."

Mais de 19.000 ou 1,44% dos funcionários da linha de frente da Amazon nos EUA contraíram Covid-19 até setembro, disse a empresa.