Ação da Petrobras despenca quase 11% em NY após indicação de Silva e Luna

Papéis da estatal acentuaram tendência após publicação do presidente Bolsonaro; ADR já tinha caído 7,12% no pregão tradicional

Fernando Nakagawa
Por Fernando Nakagawa, CNN  
19 de fevereiro de 2021 às 20:19 | Atualizado 19 de fevereiro de 2021 às 23:49

As ações da Petrobras negociadas em Nova York acentuaram a tendência de queda após a notícia da indicação do general Joaquim Silva e Luna para a presidência da Petrobras. Às 20h no horário de Brasília, os papéis – chamados de ADRs – da estatal brasileira perdiam 10,95%, a US$ 8,95, na negociação eletrônica após o fechamento do pregão tradicional, o chamado after market. 

Essa queda de dois dígitos se soma à desvalorização de 7,12% acumulada durante os negócios no pregão tradicional desta sexta-feira em Nova York. 

Plataforma da Petrobras
Plataforma de produção de petróleo da Petrobras
Foto: Divulgação/Petrobras

 

Bolsonaro informou que o governo indicou o general para substituir o cargo do atual presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, após insatisfação do presidente da República com a política de preços da estatal. Nesta semana, o preço da gasolina subiu mais de 10% e do diesel, mais de 15% nas refinarias. 

A decisão de Bolsonaro foi comunicada por meio de suas redes sociais. O indicado é general da reserva do Exército e ocupava a presidência da usina de Itaipu desde 2019. Antes, ocupou o cargo de ministro da Defesa no governo do ex-presidente Michel Temer. Ele foi o primeiro militar a sentar na cadeira do Ministério, criado em 1999.