Marcas esperam lucrar com popularidade do aplicativo Clubhouse

O aplicativo de bate-papo de áudio apenas para convidados, lançado em março passado, não oferece publicidade paga

Sheila Dang, da Reuters
09 de março de 2021 às 11:14
Clubhouse
Clubhouse
Foto: William Krause / Unsplash

No mês passado, durante um game show ao vivo no aplicativo norte-americano Clubhouse, o empresário de tecnologia e investidor Noah Lichtenstein e seus co-apresentadores distribuíram US$ 3.200 em prêmios financiados pela empresa de pagamentos Cash App, da Square, que patrocinou o evento.

Dias depois, executivos da Restaurant Brands International, dona das cadeias de fast food Burger King e Popeyes, criaram sua própria sala no Clubhouse para permitir que as pessoas os questionassem sobre o que quisessem após o balanço trimestrald a empresa em um evento denominado "Cozinha aberta".

O aplicativo de bate-papo de áudio apenas para convidados, lançado em março passado, atualmente não oferece publicidade paga. Mas o serviço, que tem trazido multidões para salas de bate-papo com aparições surpresa de músicos como Drake e o bilionário Elon Musk, também está atraindo rapidamente grandes empresas que esperam alcançar os estimados 8 milhões de usuários que baixaram a plataforma digital mais recente desde o TikTok.

As marcas estão fazendo experimentações no Clubhouse de forma abrangente, sem um manual. Algumas empresas oferecem patrocínio a criadores de salas conhecidas no Clubhouse. Outros veem oportunidades para gerar popularidade grátis ou obter comentários ao vivo sobre seus produtos, disseram apresentadores do Clubhouse.

O interesse comercial "está chegando ao ponto em que as marcas estão investindo e pagando para que as pessoas as aconselhem sobre como usar o Clubhouse de maneira eficaz", disse Kat Cole, consultora de negócios, investidora e apresentadora de uma sala semanal do Clubhouse chamada 'Horário comercial'.

As empresas têm mantido perfis corporativos no Facebook, que possui 2,8 bilhões de usuários, ou no Twitter, com 192 milhões de usuários. Mas no Clubhouse, as contas devem estar vinculadas a um indivíduo com seu nome real, embora as marcas possam criar uma sala do Clubhouse e hospedar conteúdo a partir delas, disse uma porta-voz do Clubhouse.

O presidente-executivo da Restaurant Brands International (RBI), Jose Cil, usou o aplicativo para responder a perguntas que vão desde como ele entrou no negócio de restaurantes até as semelhanças entre redes de fast food e restaurantes finos, tudo isso enquanto estava no banco de trás de um Uber, disse Duncan Fulton, diretor corporativo da RBI.

Cil e outros executivos gostaram tanto do Clubhouse que a equipe global do Popeyes planeja hospedar sua própria sessão, acrescentou Fulton.

O Clubhouse se destaca de outras plataformas porque dá aos usuários a chance de falar com um grande presidente-executivo ou celebridade, disse Ishan Goel, estrategista de marca e fundador da Goel Strategies, que já trabalhou com clientes como Colgate e restaurantes Darden.

"Estou dizendo (aos executivos) para seguir em frente", disse Goel. "A geração Z e os jovens da geração Y querem saber quem está nos bastidores dessas empresas."

Na semana passada, um grupo dos 40 principais criadores do Clubhouse, reunidos para aconselhar os fundadores do aplicativo, lançou uma nova empresa chamada Audio Collective para criar uma estrutura mais formal para combinar marcas com apresentadores.

A empresa ajudará a decidir sobre os preços de patrocínio e auxiliar os anfitriões no planejamento de seus eventos, disse Catherine Connors, uma das fundadoras do Audio Collective e ex-executiva da Disney.

Embora o aplicativo não tenha formatos de publicidade, alguns hosts estão experimentando inserir informações sobre patrocinadores nas conversas. Shondra Washington, fundadora da Audio Collective e presidente da firma de investimentos TBC-Capital, disse que discutiu sua necessidade de um novo computador para incorporar a menção da Upsie, uma startup que fornece garantias para dispositivos de tecnologia e recentemente patrocinou sua sala no Clubhouse chamada "CrowdHouse".

O patrocínio de Upsie foi divulgado verbalmente e no título e na descrição da sala do Clubhouse. O patrocínio ocorreu durante o período de férias e próximo ao lançamento do PlayStation 5, e levou a um aumento no número de visitas ao site da Upsie, disse Washington. "Foi o momento perfeito para falar sobre isso."

Algumas marcas que perderam o barco em serviços importantes como o TikTok estão tentando chegar à frente da curva mergulhando no Clubhouse, apesar da plataforma atualmente carecer de análises que ajudem as empresas a medir o quão bem suas ações de marketing funcionaram, Lichtenstein disse.

O maior prêmio até agora concedido pela sala do Lichtenstein's Clubhouse, chamado “I AM WOW $”, que é patrocinado pela Cash App, foi de US$ 1.600, para um músico do Texas que estava desempregado, disse ele.

"Não posso dizer para o Cash App como eles medem (a eficácia) disso, mas oferecer tanta alegria às pessoas tem que ter muito valor", disse Lichtenstein.