Câmara aprova PEC Emergencial em 1º turno: investidores ficarão mais tranquilos?

Neste novo episódio do Abertura de Mercado, tudo sobre o avanço da PEC Emergencial na Câmara e como o clima eleitoral antecipado pode afetar o mercado

André Jankavski, do CNN Brasil Business, em São Paulo
10 de março de 2021 às 05:44
Abertura de Mercado André Jankavski
Foto: CNN/Divulgação

 A sessão na Câmara dos Deputados se estendeu na noite da terça-feira (9). O motivo é aquele que o mercado está de olho há algum tempo: a aprovação da PEC Emergencial. Após dias turbulentos, os investidores se agarram nessa boia que pode trazer um pouco de alívio fiscal para o Brasil. E após aprovar a admissibilidade da proposta, o presidente da Câmara, Arthur Lira, decidiu levar a sessão madrugada adentro e conseguiu aprovar a PEC com 341 votos a favor e 121 contra. 

Mas ainda há diversas outras incertezas no mercado. Que as vacinações estão lentas no país, e que o Brasil vive a pior fase da pandemia até agora, o mercado já sabia, e agia de acordo com os avanços, mesmo que lentos. Porém, um outro ingrediente de instabilidade surgiu: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será candidato em 2022? O presidente Jair Bolsonaro optará pelo populismo visando a reeleição?

Neste episódio do Abertura de Mercado, André Jankavski fala sobre o que é o chamado de “fator Lula”, e como ele impacta diretamente as especulações do mercado financeiro. E para explicar melhor sobre o que esperar do mercado nos próximos dias, contamos com a presença de Henrique Esteter, analista da corretora Guide.

Ouça também sobre o Cade, Conselho Administrativo de Defesa Econômica, e a investigação das empresas Vivo, Oi e Claro por formação de cartel. 

Na agenda, às 9h o IBGE vai divulgar os dados da PNAD Contínua Trimestral com dados do desemprego do quarto trimestre de 2020. Além disso, acontece também a votação da PEC Emergencial aqui no Brasil e  o pacote de ajuda lá nos EUA. E na temporada de balanços, destaque para os resultados da Braskem e da Eneva.