Wine volta a pedir registro de companhia aberta após ter crescimento de 40%

Fundada em 2008 e atualmente com mais de 240 mil sócios no Clube Wine, a companhia afirma que vem desenvolvendo novas frentes

Paula Arend Laier, da Reuters
12 de março de 2021 às 10:48 | Atualizado 12 de março de 2021 às 10:51
Garras de vinho francês no Chateau du Pavillon, em Sainte-Croix-Du-Mont, na Fran
Foto: REUTERS/Regis Duvignau

O clube de assinatura de vinhos Wine pediu registro de companhia aberta, retomando os planos para explorar ferramentas de financiamento no mercado de capitais, incluindo uma eventual oferta de ações (IPO, na sigla em inglês), para apoiar o ritmo acelerado de crescimento do plano de negócios.

A empresa havia entrado com pedido no ano passado, mas decidiu suspender citando "instabilidades no mercado financeiro e o ritmo acelerado e constante de crescimento da empresa".

No ano passado, a empresa faturou R$ 450 milhões, um crescimento de quase 40% em relação a 2019, com 40% da sua receita decorrente do clube de assinatura, enquanto 60% das vendas do e-commerce já são originadas no aplicativo.

Fundada em 2008 e atualmente com mais de 240 mil sócios no Clube Wine, a companhia afirma que vem desenvolvendo novas frentes, como sua unidade de B2B e vendas diretas, "que estão em ritmo acelerado de crescimento".

Além da presença no online, a Wine inaugurou nos últimos meses lojas físicas em diferentes regiões e hoje possui oito unidades -- três em São Paulo e outras em Campinas, Recife, Belo Horizonte, Curitiba e Porto Alegre. A previsão é de abrir mais cinco lojas físicas no primeiro semestre.

"De modo a manter sua expansão e seguir consolidando o mercado, a empresa vai buscar fontes de financiamento, para movimentos orgânicos e inorgânicos", afirmou a Wine, que se apresenta como o maior clube de assinatura de vinhos do mundo.