Auxílio emergencial é pouco, mas é o que o governo pode pagar, diz Bolsonaro

O benefício será pago a 45,6 milhões de brasileiros, em quatro parcelas com valores entre R$ 150 e R$ 375 cada

Pedro Caramuru, Emilly Behnke e Matheus de Souza, da Agência Estado
19 de março de 2021 às 14:29 | Atualizado 19 de março de 2021 às 14:35
Jair Bolsonaro usa máscara durante cerimônia no Palácio do Planalto
Jair Bolsonaro usa máscara durante cerimônia no Palácio do Planalto
Foto: Alan Santos/PR (10.mar.2021)

O presidente da República, Jair Bolsonaro, avaliou na manhã desta sexta-feira, 19, que é "pouco" o valor do novo auxílio emergencial que será pago a vulneráveis durante a pandemia de covid-19, porém reforçou que é o que o governo pode pagar.

"É pouco, né? Mas é o que a nação pode dar. São 44 bilhões de endividamento, tá?", disse Bolsonaro a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, em Brasília.

Na quinta-feira (18), o governo federal publicou edição extra do Diário Oficial da União (DOU) com a Medida Provisória 1.039, que recria o benefício pago, desta vez, a 45,6 milhões de brasileiros, em quatro parcelas com valores entre R$ 150 e R$ 375 cada.

Nesta rodada, as regras são mais rigorosas e não haverá novo cadastro para quem eventualmente ficou de fora do programa em 2020.

A previsão é de que os pagamentos comecem em abril.