Rachel Maia lança biografia e quer levar outras mulheres negras à alta liderança

Eleita pela revista “Forbes” como uma das 40 mulheres mais poderosas do Brasil, por muito tempo sentiu receio de publicar sua história

Aline Macedo, do CNN Brasil Business*
20 de março de 2021 às 05:00
Rachel Maia
Foto: Claudio Gatti

Rachel Maia se descreve como uma mulher ousada tanto na vida quanto no trabalho. Com uma trajetória profissional de 28 anos, atuou como CEO e conselheira em companhias como Tiffany & Co, Novartis, Pandora e Lacoste. A empresária ingressou em um restrito grupo de 0,4% de executivas negras nas maiores organizações do país, segundo pesquisa do Instituto Ethos, realizada em 2015.

Hoje, a executiva presta consultoria por meio de sua própria empresa, a RM Consulting. No último dia 8, lançou a biografia “Meu caminho até a cadeira número 1” (Globo Livros). Em entrevista ao CNN Brasil Business, Maia explica o motivo de ter publicado o livro.

"Com uma experiência de quase 30 anos em alta gestão, eu tenho a responsabilidade de impulsionar outras mulheres negras a também chegar à alta liderança."

Rachel Maia

  

Mas nem sempre foi assim. Ela, que foi eleita pela revista “Forbes” como uma das 40 mulheres mais poderosas do Brasil, por muito tempo sentiu receio de publicar sua história. Mas, segundo ela, tantas pessoas pediram para que compartilhasse sua experiência, que entendeu que, por meio do livro, poderia alavancar outras pessoas a conquistarem os próprios objetivos. 

Criada na periferia de São Paulo, formou-se em Ciências Contábeis e fez pós-graduação em Finanças na USP. Além de fazer um MBA, ela se especializou em instituições renomadas do país e do mundo, como FGV, Harvard e University of Victoria.

Período sabático e pandemia 

Ao sair da Lacoste, no ano passado, seu objetivo era passar sete anos em um período sabático. A ideia era analisar sua jornada e organizar os planos para o futuro. Ainda em seu primeiro ano, esse momento também servirá para avaliar a possibilidade de ingressar na política, conta.

Esse momento também coincidiu com o isolamento social causado pela pandemia --que trouxe muitas reflexões em vários aspectos, como o de mulher e o de mãe independente. Aos 50 anos, a empresária, que estava habituada ao escritório, teve que lidar com a rotina de passar o dia inteiro com os filhos. A experiência tem sido de grande aprendizado para conhecer de um jeito único suas crianças e a si mesma, diz Maia.

Mais diversidade e inclusão

Além do livro, Maia tem lidado com o novo momento da RM Consulting, que está cada vez mais ativa no mercado. Criada há três anos, atua como conselheira em diversidade e inclusão, além de prestar consultoria no mercado do varejo e do luxo. Também faz palestras sobre empoderamento pessoal e liderança para empresas de diversos setores.

Fazer parte do mundo corporativo, liderando multinacionais, permitiu que ela entendesse a necessidade de falar sobre pluralidade e de ter instituições ativas na construção de um mercado mais igualitário. 

"A mente que não se abre para o novo ou o diverso poderá ficar para trás, porque o consumidor quer saber se os produtos refletem essa pluralidade, se assemelha a ele, não só em campanhas de marketing, mas no conteúdo da liderança, na estratégia."

Rachel Maia

 

“As empresas que não se modificarem correm o risco de quebrar, pois o consumidor procura empresas com conteúdo, e a tendência é procurar cada vez mais”.

 * Sob supervisão de Natália Flach e Maria Carolina Abe