Carrefour e Big podem criar 1ª varejista de R$ 100 bilhões de receita do Brasil

Com a compra do grupo Big, o Carrefour se descola de vez e se torna líder isolado no varejo alimentar brasileiro

Natália Flach e André Jankavski, do CNN Brasil Business, em São Paulo
24 de março de 2021 às 11:47 | Atualizado 24 de março de 2021 às 21:17

 O Grupo Carrefour comprou o Grupo Big e pode criar a primeira varejista de R$ 100 bilhões de faturamento do Brasil. Isso porque, em 2020, o Big teve uma receita consolidada de R$ 24,9 bilhões, enquanto o Carrefour alcançou R$ 74,75 bilhões.

"Com a compra, o Grupo Carrefour se descola de vez e se torna líder isolado no varejo alimentar brasileiro."

afirma Alberto Serrentino, fundador da Varese Retail e especialista no setor.

Atualmente, o ranking já é liderado pelo Grupo Carrefour, seguido por Assaí com R$ 39,4 bilhões de faturamento e pelo Grupo Pão de Açúcar com R$ 31 bilhões.

"Logo, se vê que o 'gap' entre os concorrentes vai ficar muito maior. Se confirmada a aquisição pelo  Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que deve autorizar, será a primeira varejista com 12 dígitos, é um marco", diz Serrentino.

A compra do Big pelo Carrefour por R$ 7,5 bilhões foi anunciada na madrugada desta quarta-feira (24). Quando se compara esse número com a receita da empresa, parece que o valor pago foi irrisório. Mas é importante analisar outros dados.

Segundo relatório da Genial Investimentos, esse valor equivale a 8,3 vezes a geração de caixa do grupo Big medido pelo Ebitda, um pouco mais caro que o Carrefour, atualmente negociado a 7,1 vezes. Entretanto, de acordo com o Carrefour, só o ativo imobiliário do Big já vale R$ 7 bilhões, além de existirem mais R$ 1,7 bilhão em sinergias a serem capturadas no Ebitda.

Carrefour Big
Foto: Reprodução

"Do ponto de vista operacional, espera-se um aumento de rentabilidade das lojas do Grupo Big à medida que elas são convertidas no formato do Carrefour Brasil, que possui uma oferta comercial melhor. Uma estratégia similar às conversões das lojas Makro em lojas do Atacadão, que já se mostraram um sucesso para a companhia", escrevem os analistas da Genial. 

Os especialistas lembram ainda que, com a aquisição, o grupo Carrefour Brasil passa a ter acesso a base de clientes do Big, aumentando o mercado potencial do e-commerce e do crédito do Banco Carrefour. 

Abilio Diniz

Abilio Diniz, presidente do Conselho de Administração da Península Participações, disse em nota que, a aquisição "é um dos movimentos mais impostantes na história do mercado brasileiro".

"Já era fã do Carrefour desde que era seu concorrente, e a aquisição do Big permitirá à companhia oferecer mais serviços de qualidade em mais regiões do país num momento de profunda transformação do setor, que abre muitas oportunidades. Tenho muito orgulho de fazer parte dessa história e contribuir, como conselheiro e acionista relevante, para o crescimento do Carrefour no Brasil”, escreveu.