Por pandemia, Rappi diminui comissões cobradas a restaurantes no app

Trata-se de um acordo com a Abrasel e a ANR para tentar mitigar os efeitos do coronavírus no setor

Matheus Prado, do CNN Brasil Business, em São Paulo
24 de março de 2021 às 11:59
Rappi
Foto: Rappi/Divulgação

O Rappi anunciou que vai reduzir, a partir de 5 de abril, o valor das comissões cobradas dos restaurantes que utilizam o aplicativo. Trata-se de um acordo com a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) e a Associação Nacional de Restaurantes (ANR) para tentar mitigar os efeitos da pandemia do novo coronavírus no setor.

Com isso, a empresa oferecerá aos parceiros as seguintes condições: comissão máxima de 5% para os marketplaces (entrega feita pelo parceiro), válido até 31 de dezembro de 2021; e comissão máxima de 18% para o modelo full service (entrega feita pelo Rappi), válido até 4 de julho de 2021.

Os restaurantes devem manifestar seu interesse pelo subsídio. Os parceiros que têm comissões abaixo desses valores não terão alteração. Depois dessas datas, as comissões voltarão ao percentual acordado no contrato. Para os novos entrantes, o mesmo modelo de comissões será válido, durante os prazos estabelecidos acima.

Durante o último ano, o Rappi já tinha reduzido as taxas dos restaurantes menores e o tempo de repasse de pagamentos de 14 para 7 dias, além de ter isentado aluguel de dark kitchens. Nas últimas semanas, também foram anunciados R$ 100 milhões para ajudar com o fluxo de caixa dos restaurantes parceiros.

iFood

Desde o dia 11 de março, as taxas de comissão do iFood caíram de 23% para 18% e essa redução permanecerá até o fim de março. Além disso, a empresa antecipará R$ 4 bilhões em recebíveis –desde o início da pandemia, foram mais de R$ 12 bilhões. Para completar, o iFood deve oferecer R$ 500 milhões em linhas de crédito. No total, a companhia espera impactar 200 mil estabelecimentos.