Com déficit de R$ 21 bilhões em fevereiro, governo central volta para o vermelho

A meta fiscal deste ano é de rombo de R$ 247,118 bilhões

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
30 de março de 2021 às 15:16 | Atualizado 30 de março de 2021 às 15:20
Imagem mostra notas de dois, vinte e dez reais
Foto: Agência Brasil/ Reprodução

 

As contas do governo central voltaram a ficar no negativo, registrando déficit de R$ 21,217 bilhões em fevereiro de 2021. Em janeiro, o resultado tinha ficado positivo em R$ 43,2 bilhões, interrompendo 11 meses consecutivos de rombo fiscal, reflexo principalmente do aumento de gastos no combate à pandemia. 

Por outro lado, o valor de fevereiro é 22% melhor do que o registrado no mesmo mês do ano passado, quando a economia ainda não tinha sido impactada pela pandemia.  O dado foi divulgado pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN) nesta terça-feira (30). 

O resultado primário do governo central inclui as contas do Tesouro Nacional, do Banco Central e da Previdência Social, excluídas as despesas com juros. O déficit acontece quando as receitas do governo não são suficientes para pagar as despesas.

Enquanto o Tesouro Nacional e a Previdência Social apresentaram, respectivamente, déficit de R$ 2,757 bilhões e de R$ 18,601 bilhões, o Banco Central registrou superávit de R$ 142 milhões.

A meta fiscal deste ano é de rombo de R$ 247,118 bilhões. Em 2020, por conta do decreto de estado de calamidade, necessário para o combate à pandemia, o governo ficou desobrigado de cumprir a meta fiscal daquele  ano, registrando déficit de R$ 743 bilhões.