Londres registra pior IPO da história com empresa de delivery de comida

Deliveroo experimentou uma estreia muito abaixo do esperado na bolsa, em certa medida devido às novas exigências trabalhistas impostas às empresas de tecnologia

Hanna Ziady, da CNN Business
02 de abril de 2021 às 13:51 | Atualizado 02 de abril de 2021 às 15:37
Entregador da empresa Deliveroo na Inglaterra
Entregador da empresa Deliveroo em Londres, na Inglaterra
Foto: Dan Kitwood/Getty Images

A estreia da Deliveroo no mercado de ações deveria ter sido um sucesso estrondoso. A startup de entrega de comida era uma das queridinhas do setor de tecnologia do Reino Unido e estava crescendo rapidamente graças ao aumento da demanda durante a pandemia. A Amazon comprou recentemente 16% da empresa em um grande voto de confiança.

Mas o maior IPO de Londres desde 2011 foi um desastre absoluto. As ações despencaram quando as negociações começaram na quarta-feira, e fecharam 26% abaixo de seu preço de listagem, eliminando quase 2 bilhões de libras, ou US$ 2,8 bilhões, da capitalização de mercado inicial da Deliveroo. A ação perdeu mais 1,9% na quinta-feira.

O desempenho do dia de abertura marca a pior estreia em Londres para um IPO em pelo menos duas décadas, de acordo com o provedor de dados Dealogic. Um dos investidores da empresa disse ao Financial Times que foi "o pior IPO da história de Londres".

Por que os investidores evitaram o Deliveroo quando não se cansaram de concorrentes, incluindo o DoorDash, que disparou 85% em sua estreia em Wall Street no ano passado? Uma série de fatores estava por trás do fracasso, dizem os especialistas, incluindo preços, prazos, perspectivas de negócios incertas, preocupações sobre como a empresa trata os trabalhadores e maiores riscos regulatórios enfrentados pelas empresas do setor.

"O preço inicial estava incorreto", disse Alasdair Haynes, CEO da Aquis Exchange, uma concorrente emergente da Bolsa de Valores de Londres e da CBOE. “As pessoas envergonhadas aqui devem ser os conselheiros”, acrescentou.

JPMorgan Chase (JPM) e Goldman Sachs (GS) foram os principais consultores de banco de investimento no IPO. O JPMorgan não quis comentar. A Goldman Sachs não respondeu a um pedido de comentário.

Citando "condições de mercado globais voláteis", a Deliveroo fixou o preço do IPO bem no final da faixa que almejava, apesar de insistir que tinha "uma demanda muito significativa de instituições em todo o mundo". Mas mesmo isso foi considerado muito alto para os investidores.

Risco regulatório

Embora o nervosismo recente no mercado de ações não tenha ajudado, as preocupações com as mudanças regulatórias que poderiam afetar a forma como as empresas de tecnologia e entregas pagam seus funcionários tiveram um peso muito maior, disse Sophie Lund-Yates, analista de ações da Hargreaves Lansdown.

Vários grandes investidores institucionais, incluindo Aberdeen Standard Investments e BMO Global Asset Management, apontaram para o risco regulatório e os direitos limitados concedidos aos trabalhadores da Deliveroo quando anunciaram dias antes do IPO que não solicitariam ações.

A listagem da Deliveroo na bolsa veio apenas duas semanas depois que o Uber (UBER) decidiu reclassificar todos os seus motoristas - mas não os entregadores de comida - como trabalhadores, uma medida que poderia forçar outras empresas a repensar como operam.

A decisão seguiu uma decisão da Suprema Corte do Reino Unido de que os motoristas do Uber deveriam ser classificados como trabalhadores, e não como contratados independentes, tendo direito a um salário mínimo, férias pagas e uma pensão.

À luz da decisão do Uber, a prática da Deliveroo de contratar motoristas como contratantes independentes com direitos limitados é "um risco financeiro significativo para os acionistas", disse James Bevan, diretor de investimentos da CCLA, gerente de ativos para instituições de caridade e organizações religiosas, em um vídeo comentário antes da listagem.

Contribuições forçadas de previdência comprimiriam as margens já estreitas da Deliveroo, acrescentou Lund-Yates.

A Deliveroo ainda não teve lucro, apesar de as condições serem "boas como nunca" para um serviço de entrega de comida, ela está perdendo dinheiro na maioria das entregas, senão em todas, acrescentou. "Se você adicionar isso ao risco regulatório, há um grande questionamento sobre como as margens podem decolar."

Os investidores também expressaram preocupação com o crescimento futuro, especialmente com o lockdown do Reino Unido e os clientes voltando a jantar fora em restaurantes. A Deliveroo também enfrenta forte concorrência dos rivais Uber Eats e Just Eat Takeaway.

"Achamos muito difícil entender como podemos avaliar uma empresa que ainda não obteve lucro e a perspectiva futura para a oportunidade de negócios é incerta", disse Bevan.

O fundador e CEO da Deliveroo, Will Shu, estava otimista com as perspectivas da empresa na quarta-feira, apontando os planos de investir em cozinhas somente para entrega e fornecer aos clientes mais opções. "Nosso objetivo é construir a empresa de entrega de alimentos definitiva e estamos muito entusiasmados com o futuro", disse ele em um comunicado.

Duas classes de acionistas

A estrutura de propriedade da Deliveroo também pode ter desempenhado um papel em sua recepção pouco entusiasmada no mercado de ações. Ela possui duas classes de ações, permitindo que seu fundador retenha o controle da empresa após um IPO, o que "pode ??ter ficado na cabeça de alguns dos investidores institucionais", segundo Lund-Yates.

Ações de classe dupla são permitidas na Bolsa de Valores de Londres, mas não para seu segmento premium, que fornece o pool de empresas de primeira linha que compõem índices como o FTSE 100 (UKX). O governo do Reino Unido está considerando remover essa restrição, apesar da oposição de grandes investidores institucionais.

"Temos fortes reservas sobre permitir estruturas de ações de classe dupla no segmento premium", disse o chefe de ações do Reino Unido na Aberdeen Standard Investments, Andrew Millington, em um comunicado compartilhado com a CNN Business. “Acreditamos que os altos padrões do segmento de listagem premium são importantes para fornecer proteção e segurança aos muitos milhões de indivíduos que têm suas economias investidas nessas empresas”, acrescentou.

Mas há mais na história da Deliveroo. Muitas empresas de tecnologia usam a mesma estrutura de ações de classe dupla. Brent Hoberman, cofundador da Founders Factory, uma aceleradora que ajuda as startups a crescer, citou como exemplo a empresa de comércio eletrônico The Hut Group, que viu suas ações dispararem em seu IPO em Londres em setembro passado.

As ações de classe dupla também são comuns nos Estados Unidos e permitidas nas bolsas de valores de Hong Kong, Cingapura e China. Elas também são permitidos em Amsterdã, que ultrapassou Londres como o principal centro de negociação de ações da Europa após o Brexit.

Outro golpe forte para Londres

O desastre de Deliveroo pode desferir outro golpe para Londres e seus esforços renovados para atrair mais empresas de tecnologia à bolsa.

O Brexit forçou os bancos a realocar algumas atividades fora de Londres, colocando em risco sua posição indiscutível como o principal centro financeiro da região.

O ministro das Finanças, Rishi Sunak, que anteriormente saudou a Deliveroo como uma "verdadeira história de sucesso da tecnologia britânica", foi forçado a defender o desempenho da empresa no mercado de ações na quarta-feira, durante uma entrevista com a emissora ITV.

"Os preços das ações sobem, os preços das ações caem.. São empresas importantes como essa que sentem que podem ficar no Reino Unido para levantar capital", disse ele.

Isso provavelmente será de pouco consolo para os 70 mil investidores que participaram do IPO comprando ações no varejo que somaram 50 milhões de libras ou US$ 68,9 milhões. Essa é a maior participação de pequenos investidores em uma listagem de Londres em anos, e o fracasso pode impedi-los de participar de negócios futuros.

Hoberman ainda está otimista quanto às perspectivas de IPOs de empresas de tecnologia em Londres.

"Isso significa que alguns dos IPOs menos sólidos podem ser cancelados, mas não afetará empresas de alta qualidade", disse ele. "E há outras empresas de tecnologia na [Bolsa de Valores de Londres] avaliadas em mais de 5 bilhões de libras (US$ 6,9 bilhões)", acrescentou.

Nessa condição também está a Deliveroo, apesar da sua estreia pouco empolgante.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler a versão original em inglês)