Boticário estende para 4 meses licença parental a homens e casais homoafetivos

Nova regra passará a valer na metade do ano. Hoje, o grupo oferece a homens que se tornam pais licença de 20 dias ante os cinco dias obrigatórios em lei

Raphael Coraccini , colaboração para o CNN Brasil Business
05 de abril de 2021 às 18:18 | Atualizado 06 de abril de 2021 às 20:49
Pai com bebê no colo
Pai com bebê no colo
Foto: Wes Hicks / Unsplash

 

O Grupo Boticário anunciou que vai estender sua licença parental para todos os seus 12 mil colaboradores. Além das mulheres, que já recebiam entre quatro e seis meses de licença maternidade, homens e casais homoafetivos poderão optar por licença de quatro meses.

As primeiras licenças universais serão concedidas a partir do segundo semestre deste ano e sem redução da remuneração. A iniciativa é uma extensão bastante ampla do Programa Empresa Cidadã, do Governo Federal, do qual o Grupo Boticário já participava, oferecendo aos colaboradores que se tornam pais uma licença de 20 dias ante os cinco dias obrigatórios em lei.

 

"Acreditamos que uma licença mais equânime?é o caminho certo. Ela é a nossa contribuição para ajudar a romper as barreiras e os estigmas de gênero, transformando o olhar da sociedade. É também uma contribuição importante para a relação de afeto que se estabelece na chegada de um filho”, diz Artur?Grynbaum, vice-presidente do Conselho?de Administração?do Grupo Boticário.

A decisão pela extensão da licença parental universal dentro da companhia foi baseada em um projeto que contou com a participação direta dos colaboradores. O grupo de trabalhadores conta com a atuação voluntária de profissionais de várias áreas da empresa na discussão sobre diversidade, inclusão e equidade.

Sobre equidade de gênero e raça, outra ação importante no calendário do Boticário é a reserva de 50% da força de trabalho e 25% dos cargos de liderança a pessoas negras até 2023, e pelo menos 50% da diretoria formada por mulheres até 2025.