O golpe está aí: tentativas de fraude no e-commerce saltam 83,7% no 1º trimestre

Confira a lista de produtos que estão na mira dos fraudadores

Tamires Vitorio, do CNN Brasil Business, em São Paulo
08 de abril de 2021 às 10:46 | Atualizado 08 de abril de 2021 às 10:48
Pessoas usando smartphones
Foto: Shutterstock

As tentativas de fraude no e-commerce aumentaram 83,7% no primeiro trimestre de 2021 em comparação com o mesmo período de 2020, de acordo com dados da ClearSale, empresa especializada em soluções antifraude, obtidos com exclusividade pelo CNN Brasil Business.

Se as mais de 600 mil tentativas de fraude tivessem sido bem-sucedidas, a quantia perdida teria sido de R$ 679,2 milhões, um aumento de 105,7% em relação aos R$ 330 milhões do ano passado — período no qual ainda não havia o isolamento social. 

Um dos motivos para essa alta considerável é que, neste ano, os fraudadores passaram a ter como alvo produtos mais caros. 

Em 2020, o tíquete médio dos produtos cuja fraude foi evitada foi de R$ 1.009, enquanto, em 2021, esse valor passou para R$ 1.130. Já as compras que conseguiram ser fraudadas saltaram de um tíquete médio de R$ 455 para R$ 527.

"O interesse dos fraudadores é revender os produtos para transformar em dinheiro", aponta Omar Jarouche, diretor de Marketing e Soluções da ClearSale, em comunicado enviado ao CNN Brasil Business

O alvo das fraudes

Os smartphones lideraram o ranking de tentativas de fraude no primeiro trimestre, respondendo por 8,63% do total de itens que os criminosos tentaram obter ilegalmente na internet. Em seguida, aparecem na lista ar-condicionado (6,31%), eletrônicos (5,48%), bebidas (5,27%) e alimentos (3,79%).