A moda dos NFT pode estar virando uma bolha prestes a estourar

O aumento repentino e acentuado no valor dos NFTs e a retração mais recente lembram algumas outras históricas bolhas de mercado

Por Paul R. La Monica, CNN Business
10 de abril de 2021 às 05:00
Casa NFT
Foto: Divulgação/Krista Kim

Tokens não fungíveis (NFT) estão na moda, mas sua popularidade pode estar próxima do fim. O preço dos NFTs, os certificados digitais que conquistaram o mundo da arte e dos colecionáveis neste ano, despencou cerca de 70% em relação ao seu ápice em fevereiro. 

O preço médio de um NFT no dia 5 de abril era de cerca de US $ 1.256 --ante mais de US $ 4.000 no final de fevereiro, de acordo com o site de pesquisa de mercado NonFungible.com. Dados da The Block, outra empresa de pesquisa de criptografia, mostram um declínio igualmente grande, tanto para os preços quanto para as vendas. 

Os NFTs ganharam espaço no coração dos investidores. Houve até quem questionou a bolha de mercado alimentada por investidores ricos e jovens, já que um arquivo JPEG do artista digital Beeple foi vendido recentemente por US$ 69 milhões na Christie's. 

 

Os NFTs estão onipresentes: além de ajudarem a impulsionar o preço dos cartões colecionáveis de esportes, o grupo de rock Kings of Leon lançou seu álbum mais recente como um NFT. Nem do "Saturday Night Live" os NFTs se livraram, vide que houve uma esquete sobre eles recentemente e vários funcionários do CNN Business escreveram sobre como se envolveram no mercado de NFT na compra de gatos de desenho animado. 

Essa mania pelo NFT ajudou a aumentar o valor do ethereum, criptomoeda cuja rede blockchain é usada para um grande número de transações NFT. 

Os preços do Ethereum subiram mais de 180% até agora este ano, um aumento que excede o pico no preço do bitcoin. Ações de empresas colecionáveis, como a fabricante de estatuetas Funko e a Hall of Fame Resort & Entertainment (que possui uma vila temática da NFL em Canton, Ohio) também dispararam graças a parcerias para desenvolver tokens não fungíveis. 

A Funko anunciou, na semana passada, que estava comprando uma participação majoritária na TokenWave, LLC, desenvolvedora do aplicativo, e site TokenHead, que rastreia NFTs. A Hall of Fame Resort & Entertainment fechou uma parceria no mês passado com a empresa de marketing Dolphin Entertainment para desenvolver NFTs de futebol. 

Os defensores dos NFTs apontam que cada token é único e não pode ser replicado, o que acaba criando um valor de escassez, que é bom tanto para os artistas quanto para os colecionadores.

O CEO da Funko, Brian Mariotti, observou isso no comunicado sobre o negócio da TokenWave, dizendo que o investimento em NFTs está de acordo com mercado de colecionadores digitais e físicos. "O mundo do NFT gira em torno de conteúdo", disse Mariotti. 

Isso pode ser verdade, mas o aumento repentino e acentuado no valor dos NFTs e a retração mais recente lembram algumas outras históricas bolhas de mercado, como a mania das tulipas nos anos 1600, o crash das ponto.com, de tecnologia, de 2000, e ações de bancos e preços da habitação em 2008. 

Os NFTs podem ter chegado para ficar, mas podem não valer as enormes somas de dinheiro que algumas pessoas gastaram com eles nas últimas semanas. Até Beeple, também conhecido como Michael Joseph Winkelmann, brincou com Julia Chatterley da CNN em março que ele poderia ser o maior vencedor do que poderia vir a ser a grande bolha de NFT. 

(Este texto foi traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)