Coinbase estreia na Nasdaq valendo quase US$ 100 bi

Muitos observadores do mercado esperam que as ações continuem subindo drasticamente de preço, porque a empresa já apresenta fortes resultados

Matheus Prado, do CNN Brasil Business, em São Paulo*
14 de abril de 2021 às 13:39 | Atualizado 14 de abril de 2021 às 15:36
Coinbase
Foto: Pavlo Gonchar/Getty Images

A corretora de criptomoedas Coinbase Global abriu capital nesta quarta-feira (14) com uma avaliação de quase US$ 100 bilhões, à medida que a empresa aproveita a crescente demanda por bitcoin, ethereum e outras moedas digitais.

Pouco depois da abertura, às 14h38, as ações já haviam ultrapassado a marca dos US$ 400 e eram negociadas a US$ 402,60, um salto de mais de 5% em relação ao recém-estabelecido preço inicial. Uma hora depois, no entanto, os papéis eram negociados a US$ 369.

Inicialmente, a companhia estabeleceu um preço de referência de US$ 250 para suas ações. A Coinbase está listando ações diretamente na Nasdaq, em vez de vender novas ações por meio de uma oferta pública inicial (IPO). Foi assim que Roblox, Palantir e Spotify também foram a público.

As ações começaram a ser negociadas na tarde desta quarta. Muitos observadores do mercado esperam que os papéis continuem subindo drasticamente de preço, porque a empresa já apresenta fortes resultados, tem vendas em rápido crescimento e um número crescente de clientes.

Ao final do leilão, o estoque foi indicado para abrir em US$ 381, o que avaliou a Coinbase em US$ 99,6 bilhões. "Quando se trata da Coinbase, este é praticamente o evento cripto do ano", disse Jean-Marie Mognetti, CEO da CoinShares, uma gestora de ativos digitais europeia cujas ações começaram recentemente a ser negociadas na Nasdaq Nordic Exchange. "Isso mostra que o bitcoin é para todos."

E isso também tornará o CEO da Coinbase, Brian Armstrong, em um mega-bilionário. Tendo como base o preço de US$ 350 por ação, suas 39,6 milhões de ações valerão pouco menos de US$ 14 bilhões.

A Coinbase está navegando na onda da criptoativos. Os preços do Bitcoin mais que dobraram este ano e atualmente estão sendo negociados a um preço recorde de pouco menos de US$ 65 mil.

Ehtereum, a segunda criptomoeda mais valiosa, quase triplicou de valor. Em parte, isso se deve ao fato de ser o pagamento digital preferido usado em transações de tokens não fungíveis, ou NFTs.

Os preços do Bitcoin também aumentaram graças aos investimentos de grandes empresas como Tesla e MicroStrategy de Elon Musk, bem como endossos para o espaço de criptomoedas por grandes empresas financeiras como MasterCard, PayPal e Banco de New York Mellon.

"A listagem da Coinbase deve trazer mais atenção às criptomoedas e ajudará a legitimá-las ainda mais", disse Rachid Ajaja, CEO da AllianceBlock, uma empresa de mercado de capitais de blockchain. "Você também tem mais e mais instituições financeiras entrando em cripto."

É por isso que um dos primeiros investidores da Coinbase disse que mesmo se as ações subirem durante os primeiros dias, ainda pode ser uma boa compra.

"Seríamos investidores da Coinbase com uma avaliação de US$ 100 bilhões? Sim", disse Matthew Le Merle, sócio-gerente da Fifth Era & Blockchain Coinvestors, um fundo de fundos que investiu na Coinbase após uma rodada de financiamento de risco que avaliou a empresa em US$ 8 bilhões alguns anos atrás.

Le Merle disse que comprar a Coinbase agora pode acabar sendo como investir na Apple, Amazon ou no Google Alphabet quando elas se tornaram públicas. Os concorrentes também estão entusiasmados com a listagem da Coinbase.

"A estreia da Coinbase é um evento realmente importante no amadurecimento da indústria de criptoativos. Ela construiu um negócio forte e o mercado está acreditando nisso", disse Steve Ehrlich, CEO da Voyager Digital, uma corretora de ativos da mesma classe. "Isto é apenas o começo."

*com informações de Paul R. La Monica, do CNN Business