Arrecadação federal avança e soma R$ 137,9 bi no melhor março da história

O primeiro trimestre do ano também é o melhor da série histórica, acumulando R$ 445,9 bilhões de janeiro a março

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
20 de abril de 2021 às 14:43 | Atualizado 20 de abril de 2021 às 19:05

 

Com avanço real de 18,5% ante mesmo mês do ano passado, a arrecadação de impostos e contribuições federais totalizou R$ 137,932 bilhões em março. O valor também representa alta real de 6,98% na comparação fevereiro de 2021.

Divulgado pela Receita Federal nesta terça-feira (20), o resultado é o melhor para o mês de março em toda a série histórica, iniciada em 1995. Por refletir, em maioria, o desempenho econômico do mês anterior, a arrecadação de março ainda não mostra os impactos das medidas restritivas e do recrudescimento da pandemia.

 

O primeiro trimestre do ano também é o melhor da série histórica, acumulando R$ 445,9 bilhões de janeiro a março. O valor indica alta real de 5,64% em relação ao mesmo período do ano passado.

Segundo a Receita, o resultado pode ser explicado, principalmente, pelos fatores não recorrentes, como recolhimentos extraordinários de R$ 10,5 bilhões do IRPJ/CSLL de janeiro a março de 2021, ante os R$ 2,8 bilhões no mesmo período do ano anterior.

No total, o Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas e a Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido totalizaram R$ 107.479 milhões, com crescimento real de 19,84%.

"Esse resultado mostra uma enorme capacidade de adaptação das empresas brasileiras. Em meio à pandemia, conseguiram se recuperar e se recompor, registrando aumento de receita, redução de custos e aumento de lucros", destacou o ministro da Economia, Paulo Guedes.

A equipe econômica aposta no aumento da arrecadação no início do ano para amenizar o impacto dos gastos no combate à pandemia, bem como para dar fôlego para a atividade econômica crescer este ano.

"Acho que vamos entrar no segundo semestre deste ano já com uma outra visão das possibilidades do país, com ritmo de crescimento mais forte e com a população com sua saúde preservada e o retorno seguro ao trabalho garantido (pela vacinação)", comentou Guedes.

No ano passado, a queda da atividade econômica e os impactos da pandemia de Covid-19 resultaram em uma arrecadação federal de R$  1,479 trilhões, o pior valor em 10 anos.

Dinheiro / real
Foto: Priscila Zambotto / Getty Images