Vendas de ativos da Petrobras já somam US$ 2,5 bilhões em 2021

A principal venda de ativo fechada foi justamente a refinaria Landulpho Alves (Rlam) e seus ativos logísticos associados, por US$ 1,65 bilhão

Marta Nogueira e Roberto Samora, da Reuters
14 de maio de 2021 às 11:35 | Atualizado 14 de maio de 2021 às 14:03
Agentes da PF cumprem mandados de busca e apreensão na sede da Petrobras
Agentes da PF cumprem mandados de busca e apreensão na sede da Petrobras
Foto: Paula Martini - 10.set.2020 / CNN

A Petrobras informou nesta sexta-feira (14) que os desinvestimentos neste ano até 11 de maio somaram US$ 2,5 bilhões, registrando ainda entrada de caixa das vendas de ativos de US$ 472 milhões, de acordo com apresentação divulgada ao mercado antes da teleconferência de resultados.

Em meio a um processo de venda de refinarias, a estatal destacou que o custo operacional do refino de petróleo da empresa caiu para R$ 1,4 bilhão no primeiro trimestre, versus 1,6 bilhão no mesmo período de 2020.

O presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, disse em mensagem gravada para a teleconferência de resultados, nesta sexta-feira (14), que a empresa está desinvestindo para investir "mais e melhor", concentrando esforços em plantas de refino próximas ao pré-sal.

Pelo plano da Petrobras, ela deverá vender cerca de metade de sua capacidade de refino, mantendo os ativos no Sudeste, principal centro consumidor.

A principal venda de ativo fechada foi justamente a refinaria Landulpho Alves (Rlam) e seus ativos logísticos associados, para a Mubadala Capital, por US$ 1,65 bilhão.

"Essa ação planejada de gestão de portfólio irá dobrar produção de diesel S-10 nos próximos anos", afirmou ele, citando o combustível com menor teor de enxofre.

As vendas de diesel S-10 já chegam a cerca de 55% do total comercializado pela empresa.

Em nota nesta sexta-feira (14), o Itaú BBA elevou a recomendação da Petrobras e citou que o novo CEO sinalizou que a companhia vai seguir com o plano de vendas de ativos.