Jack Ma está deixando a presidência da escola de negócios que ele fundou, diz FT

O bilionário criou a Hupan em 2015 com o intuito de transformá-la em uma referência mundial em educação voltada para empreendedorismo

Laura He, do CNN Business
24 de maio de 2021 às 15:22
Jack Ma Alibaba
Foto: Reuters/Charles Platiau

 

Jack Ma está deixando a presidência da escola de negócios de elite que ele fundou, sugerindo um novo afastamento da vida pública por parte do empresário mais proeminente da China, em face à pressão do governo sobre a indústria de tecnologia.

Citando fontes anônimas, o Financial Times informou na segunda-feira (24) que Ma não será mais presidente da Hupan, escola que ele fundou em 2015 com intuito de transformá-la em uma referência mundial em educação voltada para empreendedorismo.

O jornal também noticiou que o Hupan reestruturaria seu programa educacional. A escola com sede em Hangzhou já havia retirado a palavra "universidade" de seu nome, após uma represália do governo às instituições que não são licenciadas como universidades, mas que reivindicam o status.

O Financial Times relatou, citando uma pessoa próxima à escola, que Ma não teria mais "nenhum título oficial de alto nível" na organização depois da reestruturação. No entanto, o jornal acrescentou que Ma gostaria de continuar ligado à escola, podendo dar palestras lá.

Procurados, Hupan e Ma não responderam aos pedidos de comentários do CNN Business.

A reportagem vem meses depois que Pequim começou a fechar o cerco ao setor de internet chinês. O próprio Ma tem estado no centro dessas pressões — os reguladores puxaram o tapete do IPO altamente esperado de sua empresa Ant Group, subsidiária financeira do Alibaba, no ano passado, depois que ele criticou os reguladores financeiros e os bancos controlados pelo Estado.

Desde então, o Ant Group foi forçado a revisar suas operações, e o Alibaba e outras empresas de tecnologia foram investigadas por causa de preocupações com comportamento monopolista e outras questões relacionadas aos direitos do consumidor.

Ma saiu dos holofotes por vários meses, cancelando as aparições em eventos programados.

Ele não é o único grande executivo de tecnologia a dar um passo para trás recentemente. O fundador da ByteDance, Zhang Yiming, anunciou na semana passada que renunciaria ao cargo de CEO e faria a transição para uma nova função na empresa para "focar na estratégia de longo prazo".

Em março, Colin Huang, o fundador de Pinduoduo, também conhecido como Huang Zheng, disse que deixaria o cargo de presidente do conselho para perseguir seu sonho de infância de se tornar um cientista ou pesquisador.

Hupan

Ma escolheu o nome Hupan, que significa "beira do lago", por causa do apartamento em que morava quando fundou o Alibaba em 1999. Lakeside Garden é onde os primeiros 18 funcionários do Alibaba trabalharam juntos nos primeiros dias da empresa. Ma comparou essa experiência à prática ocidental de abrir um pequeno negócio em uma garagem.

"Cada empresa tem sua própria cultura de 'garagem'", disse Ma aos alunos em uma cerimônia de 2016 na escola. "É por isso que a batizamos de Universidade Hupan."

A escola é extremamente seletiva: cada candidato precisa ter mais de três anos de experiência administrando uma empresa com uma receita anual mínima de 30 milhões de yuans (US$ 4,7 milhões) e 30 funcionários. Mesmo os candidatos qualificados têm que passar por entrevistas estritas. Sua taxa de admissão é de apenas 2,2%, o que torna Hupan mais difícil de entrar do que Harvard e Stanford.

Entre os ex-alunos estão notáveis ??empreendedores chineses, como o presidente da Didi Chuxing, Jean Liu (ou Liu Qing), o fundador da Li Auto, Li Xiang, e o fundador do Uxin Group, Dai Kun.

Mas os ventos políticos mudaram contra Ma e seu trabalho. Juntamente com o maior escrutínio sobre o Alibaba e o Ant Group, o Financial Times relatou que Hupan foi forçado a suspender novas inscrições em abril.

O Financial Times relatou, citando uma pessoa próxima à escola, que as autoridades temiam que Ma estivesse construindo uma rede que "poderia estar em desacordo com os objetivos do Partido Comunista [chinês]".

(Texto traduzido. Para ler o original, clique aqui.)