Pequenas empresas enfrentam dificuldades com segunda onda da pandemia

Segundo sindicato, apenas uma em cada três empresas funcionou normalmente em abril

Adriana de Luca, da CNN, em São Paulo
24 de maio de 2021 às 23:16

 
De acordo com o Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo (SIMPI), apenas uma em cada três empresas funcionou normalmente em abril. Os entraves se devem à segunda onda da pandemia de Covid-19, que trouxe dificuldade de acesso ao crédito e matérias-primas mais caras.

Segundo o presidente do SIMPI, Joseph Couri, isso demonstra "um aprofundamento da crise, a diminuição do número de trabalhadores e, o mais grave, a destruição do mercado interno".

A principal queixa dos empresários é em relação ao acesso ao crédito. A maioria das micro e pequenas empresas não consegue empréstimos e financiamentos.

O novo Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) já foi aprovado pelo Congresso Nacional, mas precisa da sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) até o dia 1º de junho.

O Pronampe deve oferecer mais de R$ 15 bilhões aos pequenos negócios de todo o país. 

Empresários se queixam da dificuldade de acesso ao crédito
Foto: Yuttana Jaowattana/Shutterstock