Ação alega que Apple monopoliza tecnologia de frequência cardíaca em Apple Watch

AliveCor diz que a Apple excluiu rivais ao alterar algoritmo de frequência cardíaca do sistema operacional do relógio, tornando a tecnologia rival incompatível

Jonathan Stempel, da Reuters
26 de maio de 2021 às 20:39
Apple Watch em Nova York 19/9/2019
Apple Watch em Nova York 19/9/2019 REUTERS/Brendan McDermid
Foto: REUTERS/Brendan McDermid

 

Uma empresa do Vale do Silício entrou com um processo antitruste acusando a Apple de monopolizar o mercado de tecnologia de monitoramento de frequência cardíaca para o Apple Watch e colocar em risco a saúde dos usuários.

Em uma denúncia registrada na noite de terça-feira, a AliveCor disse que a Apple excluiu rivais ao alterar o algoritmo de frequência cardíaca do sistema operacional do relógio, tornando a tecnologia rival incompatível.

 

A AliveCor vende o KardiaBand, uma pulseira Apple Watch capaz de registrar um eletrocardiograma, e o SmartRhythm, um aplicativo que alerta os usuários sobre batimentos cardíacos irregulares.

A empresa privada acusou a Apple de silenciosamente "trabalhar em segundo plano" para copiar sua capacidade de gravar um ECG no Apple Watch e fornecer um aplicativo separado para análise de frequência cardíaca.

"Como já fez várias vezes ao longo dos anos em outros mercados, a Apple decidiu que não aceitaria a concorrência no mérito", disse a AliveCor em sua denúncia apresentada no tribunal federal de San Francisco.

"O valor de controlar esses dados críticos de saúde (com a capacidade de explorá-los) era aparentemente uma tentação demais para a Apple", acrescentou. "Para obter uma vantagem competitiva injusta, a Apple colocou a vida de incontáveis usuários do AliveCor em perigo."

A Apple não respondeu imediatamente nesta quarta-feira aos pedidos de comentários.

A empresa com sede em Cupertino, Califórnia, tem aplicativos para fazer ECGs e medir a frequência cardíaca em repouso ou durante os exercícios.

A AliveCor está buscando indenização tripla não especificada, citando o suposto esforço "intencional" da Apple para criar um monopólio.

Em dezembro, a empresa sediada em Mountain View, na Califórnia, processou a Apple por violação de patente no Texas e, em abril, pediu à Comissão de Comércio Internacional dos Estados Unidos que proibisse as importações de relógios Apple.