PIB da zona do euro deve crescer 4,6% em 2021 e 4,7% em 2022, de acordo com BCE

O BCE prevê que a taxa anual de inflação ao consumidor da zona do euro atingirá 1,9% em 2021, antes de desacelerar para 1,5% em 2022 e 1,4% em 2023

André Marinho e Sergio Caldas, da Agência Estado
10 de junho de 2021 às 16:58
Logo do Banco Central Europeu em Frankfurt, Alemanha
Logo do Banco Central Europeu em Frankfurt, Alemanha
Foto: REUTERS/Ralph Orlowski

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, disse nesta quinta-feira (10) que a instituição elevou suas projeções de crescimento econômico da zona do euro para este e o próximo ano, uma vez que o avanço nos esforços de vacinação contra a covid-19 permite a gradual retirada de medidas de restrição.

O BCE agora projeta que o Produto Interno Bruto (PIB) do bloco crescerá 4,6% em 2021 e 4,7% em 2022. Em março, as previsões eram de altas de 4% neste ano e de 4,1% em 2022. Para 2023, a expectativa é de que a zona do euro tenha expansão menor, de 2,1%.

Lagarde, que falou durante coletiva de imprensa que se seguiu à decisão do BCE de deixar sua política monetária inalterada, afirmou também que as previsões de inflação do bloco deste e do próximo ano também foram revisadas para cima, enquanto a de 2023 não sofreu ajustes.

O BCE prevê que a taxa anual de inflação ao consumidor da zona do euro atingirá 1,9% em 2021, antes de desacelerar para 1,5% em 2022 e 1,4% em 2023.

A meta oficial de inflação da instituição é de uma taxa ligeiramente abaixo de 2%.