Inflação vai seguir aumento sustentável na zona do euro, diz Knot, do BCE

Ele acrescentou que o aumento deste ano nos preços ao consumidor ainda é visto como temporário, mas alguns riscos de alta estão afetando as projeções

Balazs Koranyi, da Reuters
11 de junho de 2021 às 10:41 | Atualizado 11 de junho de 2021 às 11:19
Logo do Banco Central Europeu em Frankfurt, Alemanha
Logo do Banco Central Europeu em Frankfurt, Alemanha
Foto: REUTERS/Ralph Orlowski

Os gastos orçamentais excessivos na zona do euro estão finalmente gerando um aumento sustentável na inflação, mas regras fiscais mais flexíveis serão necessárias por anos, já que a política monetária continua restrita, disse a autoridade do Banco Central Europeu (BCE) Klaas Knot nesta sexta-feira (11).

Os governos gastaram quantias recordes no ano passado para salvar suas economias de uma desaceleração induzida pela pandemia, mas à medida que a recuperação se firma, o debate sobre como e quando trazer de volta as regras orçamentárias, que foram temporariamente suspensas, está em andamento.

"Agora estamos em uma posição melhor para ver um aumento sustentável nas pressões inflacionárias", disse Knot em palestra universitária. "Vai demorar um pouco, porque ainda há uma grande folga no mercado de trabalho".

Ele acrescentou que o aumento deste ano nos preços ao consumidor ainda é visto como temporário, mas alguns riscos de alta estão afetando as projeções, em parte por causa dos esforços dos governos para isolar suas economias.

Em vez de reverter às velhas regras orçamentárias que poderiam mais uma vez sobrecarregar o BCE no pós-pandemia, Knot defendeu uma revisão do Pacto de Estabilidade e Crescimento para oferecer aos governos mais flexibilidade para gastar fora de crises.

"Como o atual ambiente de juro baixo provavelmente persistirá, precisamos de um papel estruturalmente maior para a política fiscal na estabilização macroeconômica em um futuro previsível", disse Knot em discurso.

"A flexibilidade fiscal é necessária e deve ser uma característica integral da estrutura, ao invés de um botão de tudo ou nada que pode, ou não, ser pressionado em uma emergência", disse.