Lira volta atrás e diz que governo não planeja racionamento de energia

O presidente da Câmara disse que esteve com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, para fazer a análise do cenário hídrico no país

do CNN Brasil Business
22 de junho de 2021 às 20:14 | Atualizado 22 de junho de 2021 às 22:24

 O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, falou nesta terça-feira que o Brasil deverá passar por "algum tipo de racionamento" para evitar uma crise energética maior.

Lira disse que esteve com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, para fazer a análise do cenário de crise hídrica pelo qual passa o país, e que, segundo o governo, não há risco de apagão, no entanto, a necessidade de um racionamento é iminente. 

 

"O ministro Bento esteve comigo fazendo análise do cenário, garantindo que a gente não vai ter nenhum tipo de apagão, mas vamos ter que ter um período educativo de algum racionamento para não ter nenhum tipo de crise maior", disse a jornalistas na saída do Palácio do Planalto.

"Temos um problema de chuvas, isso é claro, e o Brasil precisa urgentemente, como foi feito na MP da Eletrobras, arrumar alternativas mais baratas do que as termoelétricas a combustível", disse Lira.

Um pouco mais tarde, Lira disse que voltou a falar com o ministro, que esclarecei que não há previsão de um racionamento, mas de "um incentivo de uso eficiente da energia".

 

Governo nega previsão de racionamento

Em nota, o Ministério de Minas e Energia (MME) disse que não estão sendo tomadas quaisquer medidas objetivando o racionamento de energia elétrica no país.

"Todo o trabalho tem sido realizado de forma transparente, sinérgica e tempestiva, buscando o uso racional dos recursos hídricos e da energia elétrica, permitindo que o país passe por esta conjuntura crítica com serenidade e sem alarmismos".

A pasta diz ainda que, tendo em vista a severa situação hidrológica vem implementando, junto a instituições setoriais, ações que garantam o fornecimento de energia elétrica para a população.

"Dentre as ações avaliadas pelos órgãos envolvidos, está uma Medida Provisória que visa fortalecer a governança do processo decisório, possibilitando maior agilidade, segurança jurídica e total respeito às competências de todas as instâncias".

*Texto publicado por Ligia Tuon

Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, em Brasília 12/02/2021
Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino