Com privatização, aéreas podem oferecer preços mais atraentes, diz economista

"Com mais aeroportos, aumenta-se a oportunidade", afirma Gesner Oliveira em entrevista à CNN

Tamires Vitorio e Priscila Yazbec, da CNN, em São Paulo*
18 de julho de 2021 às 11:53 | Atualizado 18 de julho de 2021 às 12:20

A privatização de aeroportos em São Paulo, para Gesner Oliveira, economista, pode oferecer preços mais atraentes para os consumidores. Segundo ele, a concessão de locais públicos para a iniciativa privada aumenta o investimento e incentiva a competição, o que, no fim das contas, tem efeitos positivos para as pessoas.

"Com a privatização, companhias aéreas podem oferecer preços mais atraentes, tanto para o turismo corporativo quanto para o tradicional. Realmente é um movimento muito positivo", diz. "Com mais aeroportos, aumenta-se a oportunidade, inclusive no mercado de companhias áreas, porque permite o surgimento de empresas com o foco em voos regionais. A tendência é melhorar o atendimento ao consumidor regional", afirma. 

Oliveira ainda diz que "o papel fundamental dos leilões é transferir, para o setor privado, aquilo que ele faz de melhor". "No caso de São Paulo, há um descompasso entre a pungência das cidades do interior, como Ribeirão Preto, Araraquara, Marília e outras, e a falta de uma infraestrutura aeroportuária, e o investimento para o desenvolvimento regional é muito importante. Portanto, as privatizações são muito importantes para a economia brasileira", afirma. 

Em relação à privatização de companhias elétricas, Oliveira entende que o movimento também pode ser positivo no fim das contas. "A expectativa é que haja um impacto positivo sobre investimento, uma vez que existe pouco investimento no setor. A economia precisa retomar. E, para isso, ela precisa ter uma base de setor elétrico muito forte", diz.

"A Eletrobras não vinha conseguindo fazer o investimento necessário para recuperar a economia. Precisamos depender menos do regime de chuvas, precisamos de uma hibridização, com fontes renováveis, que torne a matriz mais limpa — e, para tudo isso, precisamos de investimento, coisa que o Estado não tem capacidade e nem deve fazer como atividade prioritária. Deixe o setor fazer os investimentos", finaliza. 

O economista Gesner Oliveira
Foto: CNN / Reprodução