Terceirização da Casa Civil para o Centrão preocupa, avalia consultora econômica

Zeina Latif entende que questão política prevaleceu a uma agenda governamental estruturada com movimentações ministeriais

Produzido por Layane Serrano, da CNN, em São Paulo
22 de julho de 2021 às 11:12

 

A indicação do senador Ciro Nogueira (PP-PI) para assumir a Casa Civil mostra que a questão política prevaleceu a uma agenda governamental estruturada, avalia a consultora econômica Zeina Latif.

Em entrevista à CNN nesta quinta-feira (22), Zeina destacou que a pasta é o mais importante dos ministérios por coordenar esforços e definir prioriridades do governo federal.

"De fato, a Casa Civil é um 'órgão vital' ao funcionamento [do governo]. Por isso, preocupa essa terceirização para o Centrão", disse.

"Não acho que é um governo com estratégias muito claras, pois não se consegue enxergar ali um programa estruturado e uma agenda bem definida, mas, de qualquer forma, está a dúvida de como será uma vez que foi feita essa terceirização", completou.

Reforma tributária

Uma das incertezas do governo de Jair Bolsonaro (sem partido), segundo Zeina, é sobre a reforma tributária. Para ela, falta um desenho de proposta mais eficiente, pois o texto da reforma como está agora é "palavra ao vento".

"Todos queremos uma carga tributária menor, mas para que isso se sustente precisa avançar nas discussões da contenção de despesas obrigatórias", avaliou. "[Falta] pensarmos em redução de carga tributária de verdade, de forma sustentada, para que depois não suba de novo."

Para a consultora econômica, o rombo orçamentário do país é um entraves à reforma tributária. "Eu não vejo espaço para redução da carga tributária, a gente tem um rombo orçamentário enorme. Em que pese o fato de termos resultados fiscais melhores do que o esperado não significa que a questão fiscal está equacionada, muito longe disso."

Fachada do Congresso Nacional
Foto: Pedro França/Agência Senado