Alice, o primeiro avião de passageiros totalmente elétrico, se prepara para voar

De acordo com o CEO da Eviation, Omer Bar-Yohay, o Alice está a apenas algumas semanas de seu primeiro voo

Um protótipo da aeronave, que estreou em 2019, está passando por testes de táxi de baixa velocidade desde dezembro e tentará um teste de táxi de alta velocidade nas próximas semanas.
Um protótipo da aeronave, que estreou em 2019, está passando por testes de táxi de baixa velocidade desde dezembro e tentará um teste de táxi de alta velocidade nas próximas semanas. Reprodução/ Eviation

Jennifer Korndo CNN Business

Ouvir notícia

O primeiro avião de passageiros totalmente elétrico do mundo está se preparando para decolar.

O Alice, um avião desenvolvido pela empresa israelense Eviation, passou por testes de motor na semana passada no Aeroporto Municipal de Arlington, ao norte de Seattle.

De acordo com o CEO da Eviation, Omer Bar-Yohay, o Alice está a apenas algumas semanas de seu primeiro voo.

Com tecnologia de bateria semelhante à de um carro elétrico ou de um celular e 30 minutos de carregamento, o Alice, de nove passageiros, poderá voar por uma hora e cerca de 440 milhas náuticas.

O avião tem uma velocidade máxima de cruzeiro de 250 nós, ou cerca de 461 km/h.

Para referência, um Boeing 737 tem uma velocidade máxima de cruzeiro de 946 km/h. A empresa, focada exclusivamente em viagens aéreas elétricas, espera que aviões elétricos com capacidade para 20 a 40 passageiros sejam uma realidade dentro de sete a 10 anos.

Um protótipo da aeronave, que estreou em 2019, está passando por testes de táxi de baixa velocidade desde dezembro e tentará um teste de táxi de alta velocidade nas próximas semanas.

Nesses testes, a aeronave é enviada pela pista em diferentes velocidades para testar sua própria potência e permitir que as equipes de solo monitorem sistemas como direção, frenagem e antiderrapante.

Embora a empresa inicialmente visasse que o Alice decolasse antes de 2022, as más condições climáticas no noroeste do Pacífico no final do ano dificultaram os testes.

A Eviation desenvolveu três versões do protótipo: uma variante “commuter”, uma versão executiva e uma especializada para carga. A configuração de passageiros em teste comporta nove passageiros e dois pilotos, além de 850 libras de carga. O projeto executivo tem seis assentos de passageiros para um voo mais espaçoso, e o avião de carga tem 450 pés cúbicos de volume.

Tudo isso é possível e reduz em até 70% os custos de manutenção e operação dos jatos comerciais, segundo a empresa.

O espaço da aviação elétrica já está ficando mais cheio de startups e empresas de aviação estabelecidas. A NASA doou US$ 253 milhões em setembro de 2021 para a GE Aviation e a magniX para levar a tecnologia às frotas dos EUA até 2035.

A Boeing está investindo US$ 450 milhões na Wisk Aero, uma empresa que constrói uma aeronave de passageiros totalmente elétrica e autônoma, e a Airbus está trabalhando em seus próprios empreendimentos de aviação elétrica desde 2010.

De acordo com especialistas do setor, o maior obstáculo para a aviação elétrica se tornar a norma em jatos de passageiros é a bateria.

“O obstáculo é a tecnologia da bateria, assim como nos carros, mas mais ainda nos aviões. Isso porque, com os aviões, a preocupação é o peso”, disse Ross Aimer, CEO da Aero Consulting Experts. “Assim que tivermos uma tecnologia de bateria melhor, que eu suspeito que será em dois ou três anos, é quando todos esses aviões elétricos eventualmente chegarão.”

Doze Alices estão encomendados pela empresa de transporte internacional DHL, com entrega prevista para 2024. Esses aviões, da frota global de mais de 280 aeronaves da DHL Express, devem ser usados ​​como transportadores de carga em viagens de curta distância.

“Nossa aspiração é fazer uma contribuição substancial na redução de nossa pegada de carbono, e esses avanços em frota e tecnologia ajudarão muito a alcançar novas reduções de carbono”, disse Mike Parra, CEO da DHL Express America, em entrevista à CNN Business.

A Eviation anunciou compras de sua frota proposta pela DHL e pela companhia aérea CapeAir e diz que há várias outras a serem anunciadas assim que o primeiro voo de Alice ocorrer. Espera-se que a frota proposta de Alices da CapeAir entre em serviço em 2023 em rotas que ligam Boston, Martha’s Vineyard, Nantucket e Hyannis.

Embora pareçamos estar nos aproximando das viagens aéreas movidas a bateria para algumas funções, nem tudo está quase pronto para ser usado. Os voos transoceânicos e os jumbos ainda estão anos além da ciência atual, por exemplo.

Mas a preocupação mais premente para a aviação elétrica é a regulamentação.

A FAA ainda não apresentou diretrizes claras ou estrutura regulatória para aviões elétricos, que se enquadram na categoria de Mobilidade Aérea Avançada, embora a Eviation diga que está trabalhando ativamente com a FAA para obter a certificação para produção até 2024.

“Algumas certificações podem exigir a FAA para emitir condições especiais ou critérios de aeronavegabilidade adicionais, dependendo do tipo de projeto. A determinação das qualificações para essas aeronaves é um processo contínuo”, de acordo com um porta-voz da FAA.

Os defensores da aviação elétrica preveem que Alice e aviões elétricos como ele se tornam tão comuns quanto qualquer outro meio de transporte. “Ele realmente integra a aviação no tecido de transporte, de nossa vida de passageiros. Faz isso sendo sustentável e economicamente viável”, disse Bar-Yohay.

“Quando começarmos a ver aviões como este, toda a maneira como vemos onde moramos, como nos deslocamos, como saímos de férias mudará. Será um trem de alta velocidade sem trilhos.”

Mas aeronaves elétricas grandes o suficiente para rivalizar com grandes jatos de passageiros ainda podem estar longe.

“O primeiro passo seria experimentá-los em um mercado de passageiros ou de fretamento”, disse Aimer. “Então, eventualmente, se isso funcionar bem, você terá jatos de passageiros. Para isso, precisamos que a Boeing ou a Airbus lancem um avião elétrico de verdade. Eu veria isso em cerca de 10 anos.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN