Análise: se a Rússia quiser evitar sanções, pode aprender com o manual do Irã

País se tornou o mais sancionado do mundo com as restrições impostas após a invasão da Ucrânia

Presidente russo, Vladimir Putin
Presidente russo, Vladimir Putin 14/04/2022Sputnik/Mikhail Klimentyev/Kremlin via REUTERS

Nadeen Ebrahimda CNN

Abu Dhabi

Ouvir notícia

Como a Rússia enfrenta sanções sem precedentes em praticamente todos os setores de sua economia, pode ter que recorrer a um aliado confiável com mais de quatro décadas de experiência com embargos ocidentais.

Até a guerra da Ucrânia, o Irã era o país mais sancionado do mundo, de acordo com o Castellum.AI – um banco de dados de risco global que monitora as sanções. A Rússia agora detém esse recorde e os dois países estão no que os analistas chamam de “um casamento de conveniência” que provavelmente se fortalecerá à medida que a guerra na Ucrânia se intensificar.

“Interesses comuns em ajudar os outros a evitar sanções são importantes para essa dinâmica nas relações Rússia-Irã”, disse Giorgio Cafiero, CEO da Gulf State Analytics em Washington DC.

Em meio a bloqueios aéreos entre Moscou e o Ocidente no mês passado, o ministro dos Transportes russo, Vitaly Savelyev, disse que seu país está “estudando o caso do Irã” para ajudá-lo a lidar com sanções sobre manutenção e peças de reposição. O Irã ainda opera alguns aviões comprados antes da Revolução Islâmica de 1979 que rompeu seus laços com o Ocidente.

“Essa relação bilateral provavelmente ficará mais forte à medida que a guerra na Ucrânia continuar, especialmente se as negociações de Viena não conseguirem reviver o JCPOA”, acrescentou Cafiero, referindo-se ao acordo de 2015 que colocou limites verificáveis no programa nuclear do Irã, projetado para impedir que o país obtenção de uma arma nuclear.

Ele observou que o isolamento do Irã pressionará ainda mais Teerã a se tornar útil ao Kremlin.

Após décadas de restrições econômicas ocidentais, a República Islâmica tornou-se um mestre da evasão, usando mercados ilícitos e manipulando o rastreamento de navios para contornar sanções. Hoje, a Rússia está vivendo uma crise semelhante à medida que o Ocidente reprime Moscou em um esforço para prejudicar seu esforço de guerra.

A Rússia pode seguir a liderança do Irã para contornar as sanções ocidentais? Alguns analistas dizem que já é.

Os EUA, o grupo G7 de nações ricas e a União Europeia impuseram uma série de sanções sem precedentes à Rússia desde a invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro.

O maior golpe, no entanto, seria na energia russa, que em 2020 representou mais da metade das exportações da Rússia. Os EUA e a Grã-Bretanha já proibiram o petróleo russo. Hoje, a UE – que continua altamente dependente do fornecimento da Rússia – está considerando uma medida semelhante, mas ainda não chegou a um consenso sobre o assunto.

Uma maneira pela qual a Rússia pode aprender a sobreviver a possíveis sanções sobre seu petróleo é mudar de navio e renomear sua mistura, uma tática que tem sido usada pelo Irã.

O Irã escondeu no passado milhões de barris de petróleo em portos pouco conhecidos na Ásia para escapar das sanções ocidentais, informou a Reuters em 2012. Transferências de barris na calada da noite de um navio para outro permitiram que o Irã se disfarçasse sob diferentes bandeiras, vendendo seu petróleo para compradores asiáticos interessados sem chamar a atenção dos monitores ocidentais. O Irã não respondeu a um pedido de comentário, acrescentou a Reuters.

“Cerca de 8% dos maiores petroleiros do mundo estão agora envolvidos no contrabando de petróleo sancionado, em grande parte composto por produtos iranianos e venezuelanos”, disse Cormac Mc Garry, especialista em segurança da Control Risks em Londres.

“Ghosting” é o mecanismo mais comumente usado, disse Mc Garry à CNN, pelo qual os navios desligam seus sistemas de identificação automática ao trocar a carga de um navio para outro.

Windward, uma empresa de inteligência marítima israelense, disse que no mês passado identificou o comércio de petróleo russo sob o radar, onde havia operações de navio a navio entre petroleiros que partiam de portos russos com outros petroleiros. Os petroleiros envolvidos nessa atividade chegaram à América do Norte, Ásia, Rússia e Europa, segundo Windward.

“Enquanto as novas restrições estão mudando os comportamentos das embarcações parece que algumas empresas estão mantendo os negócios como de costume, ocultando suas ações e tentando manter os órgãos reguladores no escuro”, escreveu Windward em um post no blog.

No caso do Irã, territórios remotos da Malásia foram usados como pontos de “mistura” ou “re-branding”, onde o petróleo iraniano seria misturado com outros e vendido como um produto não-iraniano a compradores internacionais. As “misturas da Malásia” têm sido uma conhecida porta de entrada para fugir das sanções do petróleo, com compradores asiáticos – especificamente chineses – fazendo uso da mistura renomeada para comprar petróleo sancionado.

A Rússia já está seguindo uma rota semelhante, seu óleo agora renomeado como “mistura letã” – uma mistura de 49,99% de russo que é misturada com outro óleo e rotulada como letã. O petróleo bruto foi comprado pela empresa de petróleo e gás Shell, com sede no Reino Unido, informou a Bloomberg.

Lidar com petróleo sancionado arrisca danos à reputação e financeiros, mas a demanda por petróleo ainda pode levar alguns compradores ao fundo do mercado negro, dizem analistas.

“Os mercados de commodities já estão sendo pressionados devido a preocupações com o fornecimento e, portanto, não está claro se os suprimentos russos podem ser substituídos”, disse Esfandyar Batmanghelidj, fundador e CEO do think tank Bourse & Bazaar Foundation em Londres.

Financeiramente, o Irã construiu uma rede sombria que usa empresas de fachada e transações indiretas para lavar dinheiro e evitar sanções, dizem analistas, que alguns acreditam poder ser oferecida para uso russo.

Essas empresas são usadas para dar a impressão de que não há conexão com o Irã, disse Richard Nephew, estudioso do Centro de Política Energética Global da Columbia, em Nova York, que anteriormente atuava como vice-chefe de sanções do Departamento de Estado e diretor de assuntos iranianos no Conselho nacional de segurança dos EUA.

Empresas de fachada são uma tática com a qual Sobrinho acredita que a Rússia gostaria de aprender.

“Acho que o Irã estaria preparado para ajudar a Rússia com relação a algumas ferramentas de evasão de sanções”, disse Sobrinho, “mas, é claro, isso pressupõe que o próprio Irã tenha acesso que pode disponibilizar prontamente”.

A evasão de sanções não é uma tarefa fácil, disse Batmanghelidj. E enquanto encontrar parceiros cúmplices atrasa o colapso econômico no curto prazo, ainda reduz as chances de lucro no longo prazo.

“A principal lição que os russos devem tirar da experiência do Irã é que é difícil fugir das sanções e resistir às sanções”, disse Batmanghelidj. “Na melhor das hipóteses, a Rússia pode ter como objetivo demonstrar resiliência às sanções, mas isso significa apenas evitar um colapso econômico descontrolado”, disse ele à CNN.

“É por isso que o custo real das sanções é um custo de oportunidade do crescimento perdido.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN